PS-M quer transparência na atribuição de fogos habitacionais

O presidente do PS-M, Sérgio Gonçalves, pretende que o Governo Regional esclareça quais são os critérios de atribuição das habitações que serão construídas com recurso às verbas do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

Numa conferência de imprensa realizada esta manhã em Câmara de Lobos, no local onde serão construídos 34 fogos habitacionais a custos controlados ao abrigo do PRR, o presidente do PS-M assinalou o facto de o Governo Regional ter vindo a anunciar vários investimentos deste género em diversos locais da Região, mas não tornar públicos os critérios de elegibilidade dos candidatos para que possam aceder a estas casas.

“É fundamental que exista transparência neste processo”, insistiu.

Sérgio Gonçalves apontou o dedo à estratégia que o Governo Regional tem vindo a seguir relativamente à habitação, a qual “deixa muito a desejar”, apontando o facto de existirem na Região mais de 5.000 famílias com carências habitacionais e de 26% da população depender de habitação social.

Atendendo a que os 136 milhões de euros do PRR destinados à habitação resolverão apenas 30% das carências habitacionais, o dirigente socialista questionou qual seria a estratégia para o sector e o que seria das várias famílias que carecem de uma habitação condigna se não existissem estas verbas.

Acusando o Executivo de não ter conseguido resolver os problemas habitacionais ao longo de décadas, o presidente do PS Madeira frisou que, além do anúncio destes investimentos, “é fundamental que se saiba que critérios existem para a atribuição destes fogos”.

“Ninguém os conhece e é necessário que o Governo Regional informe com a devida transparência, para que estas famílias que necessitam de habitação possam, efectivamente, aceder a estas casas”, concluiu.