Plataforma concelhia de parceiros sociais reúne-se em Câmara de Lobos

A Plataforma Concelhia de Parceiros Sociais de Câmara de Lobos reuniu-se para debater e definir um Plano de Acção para a Coesão Social no quadriénio 2022-2025. Ao todo, estiveram presentes 20 entidades e foram apresentadas e discutidas 63 medidas, informa a autarquia.

O município de Câmara de Lobos foi pioneiro e é, até à data, o único na Região a constituir uma Plataforma Concelhia, permanente, com 26 parceiros sociais e a conceber um Diagnóstico Social participativo, definindo um Plano de Acção integrado, a quatro anos, na área da Coesão Social, através de um programa piloto intitulado “Intervenção Social Participada”, salienta-se num comunicado.

Depoos de uma fase experimental, com a definição de um primeiro plano de acção anual, aprovou-se, em Junho de 2018, o Plano de Acção 2018-2021, com base num modelo de intervenção territorial integrado, através de uma Carta de Compromissos estabelecida entre as entidades responsáveis ou gestoras das medidas.

As 63 medidas discutidas assentam 4 eixos de intervenção prioritários definidos a saber: Eixo I. Valorização do Capital Humano; Eixo II – Inovação e Empreendedorismo Social; Eixo III. Protecção das Comunidades e Grupos Socialmente Vulneráveis; Eixo IV. Incremento da Corresponsabilidade, Trabalho em Rede e Participação.

No quadriénio 2018-2021, foram realizados quatro encontros da Plataforma Concelhia para monitorização e avaliação das medidas propostas no Plano de Ação para a Coesão Social 2018-2021 que obteve um grau de execução de 75%, sendo que as restantes medidas estão em curso e terão continuidade neste novo plano.

O Plano de Acção para a Coesão Social 2022-2025 procura estar em linha com os objectivos definidos na “Estratégia Regional de Inclusão Social e Combate à Pobreza, 2021-2027” e intersecta a sua actuação com outros planos de âmbito regional, nas áreas do Emprego, da Saúde, da Infância e Juventude, da Família, das Pessoas com Deficiência e das Pessoas em situação de Sem-abrigo, da Violência Doméstica, da Igualdade e Cidadania, bem como, com outros planos locais de desenvolvimento, tais como, a Estratégia Local de Habitação, o Plano Municipal de Transporte Escolar e o Plano de Acção Integrado para os Centros Comunitários.

A Plataforma Concelhia assumiu, ainda, o compromisso de actualizar os instrumentos de suporte ao programa, nomeadamente, Guia de Recursos, Diagnóstico Social e Plano de Acção, tendo em conta novos dados estatísticos e novas dinâmicas sociais conjunturais, procurando inovar nas metodologias de trabalho, nomeadamente, através da criação de plataformas digitais e bases de dados.

Para além desta Plataforma Concelhia de Parceiros Sociais, o município tem também em funcionamento o Conselho Municipal de Educação e o Conselho Municipal de Juventude, órgãos consultivos e coordenadores das políticas da Educação e Juventude local, conclui a nota enviada às Redacções.