JPP interroga GR sobre destino dos 45 trabalhadores da “Fábrica de Algas” do Porto Santo

O JPP foi ao Porto Santo, numa das visitas trimestrais que o grupo parlamentar faz habitualmente, visitando o local da famigerada “Fábrica de Algas”, e ouvindo a população a respeito.

Rafael Nunes, vice-presidente do grupo parlamentar e porta-voz da iniciativa, referiu a “revolta e o protesto da população que continua à espera que o Governo Regional venha a público esclarecer o porquê de 14 anos depois, ter tomado a decisão de abandonar este projecto”.

“Para além das dezenas de milhões de euros sem qualquer retorno, temos 45 trabalhadores que não fazem ideia do que será o seu futuro a partir do mês de Setembro”, sublinhou o deputado.

“Os porto-santenses exigem saber o que acontecerá a estes 45 trabalhadores bem como às dezenas de famílias que dependem desta Fábrica e que, neste momento, não sabem de absolutamente nada e vivem momentos de angústia e de apreensão quanto ao futuro”, insistiu, criticando “a cobardia politica de um Governo Regional que não dá a cara para esclarecer o que aconteceu e como é que se resolverá a situação destes trabalhadores”.

“É de lamentar a inércia do deputado do PSD, eleito pelo Porto Santo, que nada refere ao Povo desta Ilha, que nada refere aos seus conterrâneos e que prefere acompanhar o silêncio cúmplice do seu Governo Regional”, destacou ainda o JPP.

Rafael Nunes aponta a gravidade de toda esta situação lembrando que o valor em causa neste projeto daria para pagar “mais de 10% do Novo Hospital da Madeira ou pagar um Ferry, entre a Madeira, o Porto Santo e o Continente Português, durante 15 anos!”