José Manuel Rodrigues reafirmou importância da memória, referindo-se ao culto a São Tiago menor

O presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, José Manuel Rodrigues, reafirmou ontem a importância de cultivar a cultura de memória”, no dia em que se celebrou “o voto da cidade do Funchal a São Tiago Menor”.

Rodrigues salientou o valor “destas tradições ao longo da história”, porque recordam um “momento difícil para a ilha da Madeira, aquando da peste”, numa referência ao ano de 1531, o início do combate de uma luta contra uma pandemia.

“A peste provocou uma elevada taxa de mortalidade entre os habitantes da cidade (cerca de 30 mortes diárias). Nesta circunstância, a Câmara do Funchal e o Cabido reuniram-se na Sé para que se procedesse à eleição do protector da cidade, juntamente com o povo. Foram a sorteio quinze nomes de santos e ao seleccionado erguer-se-ia, também, uma igreja. O eleito foi São Tiago Menor, dando-se, assim, início ao seu culto”, referem os dados históricos, citados pelo presidente da ALRAM.

O presidente do Parlamento madeirense referiu ainda ser “particularmente sensível a esta tradição”, que contém uma procissão até à igreja do Socorro”, sítio onde nasceu e “onde nasceu a cidade do Funchal”.

Na celebração participaram várias entidades civis, religiosas e militares.