Professora Helena Marujo faz palestra na Escola Jaime Moniz

 

 

A Escola Secundária Jaime Moniz, através do Projeto Agenda Educação – colaborar e construir, Jaime Moniz Escola UNESCO, no quadro do programa anual de atividades definido para o mesmo, promove, a 25 de março, pelas 10h00, na sala de sessões da ESJM, a conferência “Educação transformativa: porque um melhor mundo é possível e urgente”, proferida pela Professora Doutora Helena Marujo, entre outras, Coordenadora da Cátedra UNESCO em “Education for Global Peace Sustainability/Educação para a Sustentabilidade da Paz Global”.

 

Segundo as Coordenadoras do Projeto, Ana Maria Kauppila e Fernanda Freitas, as atividades não-curriculares desempenham, nas Escolas, um papel fundamental na prossecução de um desejável equilíbrio (entre educação formal e não-formal) no quadro formativo de cada indivíduo que a frequenta. A Educação (neste caso, não-formal) deve ser “capacitadora” e transformadora, uma autêntica agência de mudança no sentido da construção de novos futuros e na valorização permanente dos seus valores intangíveis. Assim, estas iniciativas, destinadas à comunidade educativa mais alargada, docentes, não-docentes e encarregados de educação, convocam à construção comum dos desígnios da Educação, colaboram na promoção da Educação ao longo da vida e articulam a Escola com o seu meio envolvente na prossecução dos objetivos definidos.

No momento, alude a mesma nota à imprensa, o mundo é desafiado pela sua mais difícil prova, desde o final da segunda guerra mundial. É verdade que os conflitos têm sido sempre uma constante, mas a ameaça de uma beligerância, de amplitude global é, forçosamente, mais aterradora. Os muitos “terrorismos”, conflitos regionais, guerras civis, têm dizimado milhares de seres humanos, relegando outros para vidas sem o mínimo de dignidade. O quadro global não deve tolher-nos, são cada vez mais audíveis os chamamentos à Paz. Nela confiamos para que, às futuras gerações, possa ser legado um mundo mais promissor.

O Projeto Agenda Educação: colaborar e construir – Jaime Moniz Escola UNESCO, no âmbito do programa desta organização cujos valores nos cabe promover, visa dinamizar, através das suas atividades, a ideia de que toda a Educação o é para a Paz.

Aquando de uma recente iniciativa da OCDE, a investigadora Inés Ayala Sanders caracterizou os jovens do séc. XXI como “os novos sonhadores”. Apesar de fragilizados pela pandemia, pelos conflitos e pela pobreza, pela ameaça de guerra global que agora enfrentamos, pelo horror da destruição, as crianças e os jovens permanecem um reduto de esperança, no qual podemos e devemos depositar a garantia da realização de todos os sonhos a que têm direito em sociedades livres, democráticas e respeitadoras dos direitos humanos.

No Relatório para a UNESCO, da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI (in Educação – Um Tesouro a Descobrir), refere-se que “Para poder dar resposta ao conjunto das suas missões, a educação deve organizar-se à volta de quatro aprendizagens fundamentais que, ao longo de toda a vida, serão de algum modo para cada indivíduo, os pilares do conhecimento: aprender a conhecer, isto é adquirir os instrumentos da compreensão; aprender a fazer, para poder agir sobre o meio envolvente; aprender a viver juntos, a fim de participar e cooperar com os outros em todas as atividades humanas; finalmente aprender a ser, via essencial que integra as três precedentes.” É dever das sociedades livres e das escolas como fonte de promoção e disseminação dos valores que às mesmas subjazem, proporcionar aos “jovens sonhadores” deste século, amanhãs melhores, promissores e felizes.

Neste quadro, a UNESCO desenvolve, desde há algum tempo, um projeto designado “Escolas felizes” tendo, em janeiro de 2022, organizado um evento destinado a desencadear “um diálogo global acerca da importância de fazer da procura da felicidade um princípio orientador de todos os locais de aprendizagem. A curto prazo, o Projeto Escolas Felizes vai globalizar-se com a sua defesa no sentido de priorizar o bem-estar e a felicidade nas escolas, com um foco renovado na melhoria das experiências de aprendizagem. A “melhor aprendizagem” está no cerne do Projeto Global Happy Schools, aproveitando o bem-estar e o envolvimento para construir a base crítica da aprendizagem ao longo da vida.” (Vide informação no site da organização). Não se trata de abandonar ou de desconsiderar as competências científicas. Trata-se, isso sim, de criar condições ideais de aprendizagem para que as mesmas se efetuem de forma mais eficaz.

Ao promover a conferência “Educação transformativa: porque um melhor mundo é possível e urgente”, pela Professora Helena Marujo, o Projeto Agenda Educação – colaborar e construir, Jaime Moniz Escola UNESCO, ambiciona acrescentar um tijolo feliz a este edifício educativo.