JPP lamenta “renovado isolamento” do Porto Santo em cada mês de Janeiro

O JPP veio lamentar o “renovado isolamento que, a cada mês de Janeiro, afeta gravemente a Ilha do Porto Santo”.

Com a oferta, por via aérea, reduzida a uma viagem de ida e volta e a ausência de ligação marítima diária regular, os porto-santenses vêem-se limitados no direito fundamental de viajar, diz este partido.

Poderão dizer que foram tomadas medidas para mitigar esse isolamento e é verdade. Elas mitigam, mas não resolvem, aponta o JPP.

Por isso, o partido defende e irá lutar na República, por ligações aéreas e marítimas que permitam, por exemplo, aos jovens, manter uma agenda desportiva competitiva regular; que permita aos empresários manter activos os seus pequenos negócios; que permita ao jovem casal Madeirense que decidiu construir uma casa na Ilha Dourada, manter o orçamento estável, sem ver os custos disparar em Janeiro. Ou a obra parada. É fundamental defender o princípio da coesão territorial, refere o “Juntos pelo Povo”.

Sem barco em Janeiro, torna-se difícil a operacionalização do aeroporto do Porto Santo, como aeroporto de contingência.

O isolamento do Porto Santo não tem que ser uma fatalidade! Os transportes são uma necessidade básica para os madeirenses e porto-santenses. O sector dos transportes é uma prioridade que o JPP quer ver resolvido, rapidamente, na República.