MADS leva à cena espectáculo bilingue “As Mulheres do Calendário”

A “Madeira Amateur Dramatic Society” (MADS), apresenta o espectáculo bilingue Português/Inglês “As Mulheres do Calendário” (“Calendar Women”), no Centro de Congressos da Madeira (Casino) nos próximos dias 21, 22 e 23 de Outubro, pelas 21h00. Os bilhetes custam 10 euros e estão à venda na recepção do Casino.

A sinopse apresenta-nos uma história baseada em fatos reais ocorridos na cidade de Yorkshire, onde mulheres de uma associação denominada “Women’s Institute”, decidem posar nuas para um calendário, com o intuito de arrecadar dinheiro para a manutenção de um hospital local.

No texto, escrito por Eduardo Gaspar, a história é transposta para a Ilha da Madeira, onde um grupo de mulheres inglesas, residentes no arquipélago, decide angariar fundos para uma associação de apoio aos doentes de cancro, após a morte de uma delas. A ideia de posarem nuas para um calendário surge como a mais sugestiva para despertar o interesse de toda a comunidade na aquisição do mesmo. A iniciativa das mulheres causa furor e ganha reconhecimento mediático e além fronteiras.

Na história que serve de base para o espectáculo, as “Calendar girls”, como ficaram conhecidas as mulheres de Yorkshire, viajaram até Londres e foram motivo de interesse por parte da imprensa, com uma série de entrevistas publicadas em jornais e revistas e participações em diversos programas de rádio e televisão. No espectáculo, o reconhecimento é ainda maior, a ponto de serem convidadas para um chá com a rainha da Inglaterra.

O dinheiro arrecadado com a venda dos calendários supera as expectativas e faz com que o mesmo seja destinado também a outras associações de cariz social e humanitário. Mas nem tudo são flores…

A exposição das mulheres resulta num leque de reacções variadas e divergentes, sobretudo nas redes sociais, o que leva a discussão de comportamentos relacionados com a recente realidade do mundo virtual, bem como temas que condicionaram o histórico de vida de cada uma dessas mulheres. Aspectos como a violência doméstica, homossexualidade na adolescência, estupro, relações abusivas, sexismo, religião, entre outros, refere um comunicado enviado pelo MADS.

Apesar da complexidade de alguns dos temas versados, “As Mulheres do Calendário” promete ser um espectáculo leve e bem humorado, primando pela sensibilidade e pela delicadeza, numa abordagem clara e objectiva que incentive o público à reflexão, mas ao mesmo tempo buscando comemorar a vida, a esperança, talvez algo que possamos denominar de “recomeço”… Um respiro em tempos de tantas aflições.

O espectáculo será representado nos idiomas Português/Inglês, por ser esta uma característica bastante comum dos habitantes da Ilha da Madeira. A comunidade inglesa é numerosa e não é invulgar que os dois idiomas estejam presentes na comunidade e no seio de várias famílias. Algumas personagens falarão em Português e outras em Inglês, com tradução simultânea projectada em ecrãs distribuídos pelo cenário. O elenco é composto por 20 actores e as “mulheres do calendário” são representadas por actrizes, de uma faixa etária que vai dos 16 aos 80 anos.

A representação será o foco central da montagem. A iluminação, o cenário, os figurinos, a música, as projeções em vídeo, serão coadjuvantes das actores e do texto. A representação estará sempre em primeiro plano, com a valorização da palavra, do silêncio, do gestual… Pretende-se um cenário minimalista e sem nenhum realismo. Deixaremos à imaginação do público a interpretação dos ambientes sugeridos na acção e na deambulada das personagens, prossegue a nota de imprensa.

O espectáculo terá uma duração prevista de uma hora e quarenta e cinco minutos. A exemplo da história contada no espectáculo, será criado e impresso um calendário com fotografias das actrizes para ser vendido ao público, e todo o dinheiro arrecadado, será destinado à instituição de solidariedade “Garota do Calhau”.

A encenação e dramaturgia são de Eduardo Gaspar. O elenco conta com Janet Ellison, Teresa Gedge, Filipa Caroto Escórcio, Paula Filipa, Marina Huber, Inês Cortez, Catarina Abreu, Tânia Pontes, Vanessa Santos, Luísa Camacho, Rebecca Jardim, Pedro Gouveia, Luís Miguel Rosa, Márcio Sousa, Francisco Correia, Sam de Medeiros, Bernardo Costa, Linete Abreu, Manuela Hudge, Carmen de Medeiros, Nélia Batista, Valéria Ordoñez, Julia Rodrigues e Bruno Rodrigues.

Os figurinos são da autoria de Teresa Gedge e Janet Ellison. O cenário, desenho de luz e banda sonora são de Eduardo Gaspar e o vídeos, de Eduardo Costa. As fotografias são de Pedro Freitas. (Underline_Pictures)

Desde 1993 até a actualidade, o MADS realizou cerca de 100 espectáculos dos mais variados estilos. Comédias, musicais, dramas, pantominas, concertos, fazem parte de um imenso leque de produções. As montagens realizadas em inglês, em português, com a junção de ambos idiomas, fizeram com que o MADS alcançasse um público diversificado e fiel aos seus espectáculos. Das montagens até então realizadas, destaquem-se: “SAIAS DE BALÃO” (adaptado do livro de Ricardo Jardim), “BALAS SOBRE A BROADWAY” (de Woody Allen), “O ÚLTIMO DOS MARIALVAS” (de Neil Simon), “ALLO, ALLO” (de Jeremy Lloyd), “HAY FEVER” (de Noel Coward), “THE HOLLOW” (de Agatha Christie), “A FAMÍLIA ADDAMS NA MADEIRA” (de Eduardo Gaspar), os musicais “ THE SOUND OF MUSIC”, “ANNIE”, “FIDDLER ON THE ROOF”, “MY FAIR LADY”, “GIGI” e as pantominas “CINDERELA”, “ALLADIN” e “SNOW WHITE”. Dois musicais tiveram um significado especial na história do MADS: “LES MISÉRABLES” (baseado no livro de Victor Hugo) foi levado à cena em 2008, no Teatro Municipal Baltazar Dias, inserido nas comemorações dos 500 anos da cidade do Funchal. Foi a primeira vez que uma companhia de teatro amador recebeu autorização para a montagem do musical. Num total de 12 representações, o espectáculo foi um êxito de público e os calorosos aplausos demonstravam a satisfação dos espectadores. “MADEIRA, UMA HISTÓRIA DE AMOR”, (de Eduardo Gaspar) foi levado à cena em 2019, no Centro de Congressos do Casino da Madeira, inserido nas comemorações dos 600 anos das descobertas do Porto Santo e da Ilha da Madeira. Com este espectáculo, o MADS foi agraciado com a medalha de Ouro de Mérito Turístico, atribuída pelo Governo Regional, e Secretaria de Turismo e Cultura da Madeira. Num total de 5 representações, a audiência do musical ultrapassou os 3000 espectadores