Candidatura independente pelo PPM ao Porto Santo denuncia estado da marina local

Foto: https://www.visitportugal.com/

A  candidatura independente do PPM no Porto Santo, encabeçada por António Melim, denunciou hoje o estado da marina local, apontando “pontões partidos, assim como“fingers”. Segundo o candidato, o estado de degradação pela falta de manutenção é visível e gritante.

Por outro lado, há, diz, um estacionamento subaproveitado. “Vi o que eram boas instalações em avançado estado de precariedade e constatei que alguns estrangeiros la vivem alguns já há vários anos, pois a média paga por mês é de 38€ com água e luz incluída, alguns tem mesmo a sua morada da oficial nesse estacionamento”, diz António Melim.

Para o candidato, esta marina “tem de ser gerida pela Câmara Municipal, e não ser entregue a mais um grupo privado que protegerá os seus interesses e não os da população do Porto Santo”.

Hoje estão fundeados 27 veleiros e outros 7 entraram e saíram por falta de espaço seguindo para as ilhas Canárias, diz. Outros 7 optaram por ficar em frente *a praia sujeitos as intempéries ou a correr o risco de encalhar como aconteceu no passado mês de Agosto, informa o comunicado enviado às Redacções.

“O Porto Santo seria o principal ponto natural de paragem dos cerca de 12 a 15 mil barcos que passam nesta linha uma das principais do Atlântico, para todos os que se dirigem ao Atlântico Sul, e América central, o número máximo de visitantes resume-se a 700 embarcações”, refere.

“Li hoje na comunicação social a apresentação da renovação da marina do Funchal, e fiquei chocado, as prioridades estão invertidas como sempre, o Porto Santo fica sempre em último lugar”, queixa-se.

António Melim diz ter visto este ano o vice-presidente do Governo Regional afirmar que a marina do Porto Santo seria reparada até ao mês de Junho. Porém, “nada foi feito, excepto a colocação de bóias amarradas a poitas cuja ferragem está a apodrecer, não oferecendo segurança a quem lá está fundeado e a pagar”.