Orlando Fernandes descontente com o executivo da CMF

O deputado independente na Assembleia Municipal do Funchal, Orlando Fernandes, enviou um comunicado no qual protesta pela acção judicial em curso, resultante da aprovação do PDM – Plano Director Municipal, em 2018, movida por duas empresas contra todos os deputados da Assembleia Municipal que votaram favoravelmente e viabilizando o PDM. O seu protesto estende-se ao “desrespeito e falta de transparência, assim como sonegação de informação por parte deste executivo camarário, que já sabendo desta acção não se dignou informar todos os deputados visados”.

2Informo que, enquanto deputado Municipal Independente, estarei ausente de todas as votações da presente Assembleia Municipal Extraordinária. Peço desculpa aos funchalenses”, declara.

Orlando Fernades diz “lamentar profundamente” ter de tomar esta atitude, “mas a mesma resulta da falta de informação, que deveria já ter sido canalizada aos deputados municipais que aprovaram e ou se abstiveram na votação do PDM, por parte do órgão executivo desta Câmara”.

“Daqui resulta que para este executivo camarário só interessa o nosso voto e nunca a nossa salvaguarda”, queixa-se.

Relembra que a aprovação do PDM, em 2018, “ocorreu quando eu ainda era o único deputado do JPP, tendo sido então eleito enquanto integrante da Coligação Confiança. O meu voto mereceu a aprovação e orientações do referido partido e da respectiva Coligação Confiança, pois os esclarecimentos técnicos foram facultados pelos responsáveis do Departamento do Ordenamento do Território, relevando que este PDM era urgente, pois a cidade estava a ser gerida por um PDM desactualizado, e era necessário adaptações às novas realidades e necessidades do Funchal”.