Jardim dá nota “excelente” ao “Lobo Marinho”: “O Porto Santo só tem a agradecer ao Grupo Sousa”

Fotos FN.

*Com Rosário Martins

Alberto João Jardim viaja até ao Porto Santo no ferry “Lobo Marinho” e regressa pela mesma via. Traz o carro e sente-se como peixe na água. Sobre o serviço do ferry, tece rasgados elogios: “Está excelente. Desde o primeiro dia. Aliás, está melhor do que nos primeiros meses, em que o barco tinha alguns defeitos e que, felizmente, foram corrigidos”.

O expresidente do GR tece honrosos elogios ao dinamismo e visão do Grupo Sousa, com provas dadas na obra deixada na Ilha Dourada: “Acho que o Porto Santo só tem a agradecer ao Grupo Sousa pelo que fez na Ilha. Embora se saiba que, no Porto Santo, ser-se agradecido é sinónimo de humilhação”.

Sobre a morte de Otelo Saraiva de Carvalho, Jardim, por respeito aos mortos, não faz comentários.

Resta saber o que ainda falta ao cidadão Jardim fazer, ou então, qual o próximo projeto. A resposta é rápida e decidida: “Eu já não tenho projetos. O meu projeto é, enquanto eu tiver vida e saúde, continuar a defender mais autonomia para a Madeira e resolver as questões principais que ainda estão por resolver. Por exemplo, eu li hoje, num dos diários, uma entrevista do ministro da Economia, a dizer que a Madeira tem sido tratada de forma igual às outras regiões do País, o que não é notícia. É espantoso que isto ainda seja notícia. Seria anormal se não acontecesse”.