CDU aponta “mentiras” e apresenta queixas dos moradores da Levada dos Moinhos

A CDU realizou hoje uma acção política na Levada dos Moinhos, freguesia de São Pedro, onde a deputada da CDU na Assembleia Municipal do Funchal, Herlanda Amado, acusou a Câmara do Funchal de reiteradamente mentir aos moradores desta localidade.

“Na cidade do Funchal existem áreas degradadas que necessitam de intervenções urgentes, todas elas identificadas e mapeadas pela Autarquia, mas até hoje não foram feitas as intervenções necessárias que garantam a quem aqui vive, condições de habitabilidade e segurança. Muitas têm sido as denúncias e reivindicações feitas pelos moradores da Levada dos Moinhos, mas a verdade é que até agora a Autarquia não concretizou nenhuma das reivindicações de quem aqui vive”, apontou.

Nos Centros Históricos da Cidade, acentuam-se os problemas, desde a falta de acessos que dificultam a intervenção dos bombeiros, uma rede de saneamento básico envelhecida e deficitária, passando pela existência de focos de insalubridade que representam um perigo para a saúde pública, refere ainda esta responsável política.

“Desde os executivos do PSD que vão sendo anunciadas intervenções por parte da Autarquia, anúncios que o actual executivo de maioria socialista perpétua e de anúncio em anúncio, de promessa em promessa, o que muda é a cara de quem faz a promessa. Uma alternância que não resolveu nenhum dos problemas de quem aqui vive. Vão sendo criadas expectativas junto dos moradores que anseiam pela resolução dos muitos problemas que afectam o dia a dia de quem aqui reside. Promessas que se revelaram falsas, criando a ilusão entre os moradores de que haveria uma rápida e pronta resposta aos seus problemas, mas que tardam em ser concretizadas pela Câmara do Funchal para desespero de todos”, aponta a CDU, num comunicado.

“É urgente e necessário que sejam resolvidos problemas que se perpetuam há anos, devido a uma alternância de partidos que até hoje só contribuíram para condicionar e obstaculizar a resolução dos problemas das populações”, prossegue.