Partido “Chega” dá conta de queixas dos porto-santenses

A direcção do partido CHEGA-Madeira visitou recentemente a ilha do Porto Santo, para “contactar militantes”, e realizar “algumas reuniões com vista à preparação das próximas eleições autárquicas”. Por outro lado, os responsáveis do partido também aproveitaram para contactar a população, ouvindo as suas queixas, de onde se destacam a ausência de helicóptero de evacuação e salvamento.

“Ficámos a saber que o helicóptero que se destina a tal fim está parado por falta de manutenção, situação que consideramos inadmissível e que põe em risco vidas humanas”, dizem os responsáveis partidários. “Em situações de mau tempo na Madeira é impossível evacuar pessoas com emergência médica sem o helicóptero, visto que com mau tempo o avião não poderá aterrar na Madeira, mas se o helicóptero estivesse operacional poderia fazer esse papel. De salientar que o helicóptero nem se encontra no Porto Santo”.

Por outro lado, “um dos problemas que continua agonizando a vida dos porto-santenses prende-se com as ligações áreas e marítimas. O custo do transporte de mercadorias entre a Madeira e o Porto Santo é quase tão elevado como praticado entre Portugal continental é a Ilha da Madeira. A população apela que, em virtude do fim do actual contrato de concessão, o novo caderno de encargos contemple os verdadeiros interesses da população do Porto Santo”, refere-se.

Outra das reclamações ouvidas foi com a gestão feita pelo Governo Regional em relação à pandemia do covid-19, que foi totalmente desproporcional à realidade vivida naquela ilha.

“Não se entende como numa ilha em que já não há qualquer casos, continua com recolher obrigatório, penalizando ainda mais o comércio que por si já está muito débil e diminuindo a qualidade de vida dos habitantes desta bela ilha. Outro assunto pertinente que nos foi colocado é do crescente aumento de casas em avançado estado de degradação, se a nível estético é mau para imagem de uma ilha turística, também poderá causar problemas em termos de saúde pública visto atraírem ratos, baratas entre outras pragas”, acrescenta o Chega. O partido lamenta ainda o Penedo do Sono, “uma infraestrutura que custou milhões, encontrar-se lamentavelmente ao abandono”.