CDU diz que as vítimas dos incêndios ainda continuam à espera

 A CDU denunciou hoje o “vergonhoso atraso no socorro às vítimas dos incêndios”, referindo que há atrasos na resolução dos problemas que afectam as vítimas dos sinistros que atingiram o meio urbano no Funchal, em 2016.

Edgar Silva, coordenador regional, considerou “inaceitável que cinco anos depois ainda estejam por resolver muitos dos problemas das famílias que foram directamente atingidas pelos graves incêndios, designadamente nos casos em que as famílias perderam as suas habitações”.

A CDU foi à zona habitacional junto ao estabelecimento prisional da Cancela, onde ainda estão alojadas, a título provisório, famílias atingidas pelos incêndios, e afirmou que há ali pessoas “que ainda aguardam, cinco anos depois, pelo acesso à casa”, mas que não são as únicas.

“Existem, ali e noutros locais, atrasos vergonhosos na reconstrução de habitações e existem atrasos na atribuição de habitações prometidas a quem perdeu a casa. E como foi anunciado, havendo os financiamentos fruto das campanhas de solidariedade, existindo verbas do Orçamento de Estado para apoiar as famílias desalojadas, não é aceitável que as vítimas dos incêndios continuem, cinco anos depois, ainda a aguardar que os senhores do Governo e da Câmara do Funchal se dignem a cumprir com as suas obrigações”, criticou.

Para a CDU “os atrasos são devidos a prolongadas irresponsabilidades, devem-se a burocracias e a tantas inércias reveladoras das incompetências desta governação, quer da parte do Governo Regional, quer da parte da Câmara Municipal do Funchal”. Por isso a CDU promete intervir no Parlamento e na CMF.