Teófilo Cunha realça dinâmica da empresa J. Nelson Abreu

O secretário regional de Mar e Pescas, Teófilo Cunha, realçou hoje a aposta da empresa J. Nelson Abreu na área da transformação do pescado, referindo que “é sinal de que o sector é atractivo e está vivo”.

Os números da empresa madeirense J. Nelson Abreu, SA, mereceram um rasgado elogio do Governo Regional: mais de 30 milhões de euros de facturação anual (2019), 130 postos de trabalho e uma carteira com mais de três mil clientes.

O reconhecimento dirigido à empresa 100 por cento madeirense partiu de Teófilo Cunha, que esta quinta-feira visitou as instalações, em particular a nova área de negócio, a transformação, comercialização e exportação de pescado.

Este sector específico foi iniciado em 2020, e logo no primeiro ano de actividade apresenta uma faturação na ordem dos 2,5 milhões de euros. A empresa tem projectos em carteira para crescer neste ramo. A intenção foi revelada ao governante por um dos administradores, Tiago Abreu, que guiou o secretário regional na visita, refere um comunicado de imprensa.

“O Governo Regional e eu próprio ficamos satisfeitos quando uma empresa, com alguns anos na área agroalimentar, decide apostar também na área da transformação e comercialização do pescado”, referiu Teófilo Cunha.

O secretário regional afirmou que a “concorrência é benéfica porque valoriza o produto e garante maior oferta aos consumidores”. A empresa espera poder contar com apoio do Governo Regional para ampliar a área de actividade ligada às pescas. Teófilo Cunha recordou que o quadro comunitário actual está no fim, mas o executivo abre as portas à empresa para o próximo quadro de financiamento.

A J. Nelson Abreu, SA é uma empresa líder na Região na área do comércio por grosso, comércio a retalho, importação, exportação e distribuição. Com forte implementação nas áreas da carne, peixe, produtos hortícolas, alimentares, naturais e biológicos. E também na área de produtos higiene e químicos.

Fundada há precisamente 51 anos por José Nelson Abreu, empresário que tem revelado ao longo das últimas décadas uma invulgar visão e dinâmica empresarial, congregou no núcleo estratégico da empresa os seus três filhos, que desde muito cedo trabalham com ele.

Dentro do universo da empresa, a JNA Indústria congrega a aposta mais recente: a área do pescado, que no primeiro ano de actividade, em 2020, atingiu já um valor de faturação a rondar os 2,5 milhões de euros.

Esta é uma área onde a empresa tem investido fortemente para o futuro. Como todos os projectos, começou timidamente com a exportação de produtos regionais, sobretudo espada e atum, para Portugal continental e Espanha, e hoje não só alargou esse negócio de exportação como investiu na criação de uma unidade de processamento e preparação de peixe fresco, mais do que preparada para servir o mercado regional, refere o gabinete de Teófilo Cunha.