PSD queixa-se que o Estado não dá financiamento suficiente à UMa

O grupo parlamentar do PSD lamentou hoje a forma como a Universidade da Madeira (UMa) tem sido tratada pelo Governo da República. Em conferência de imprensa, no Parlamento Regional, a deputada Sónia Silva realçou que a UMa é “um dos principais agentes do desenvolvimento da nossa Região e, nesse sentido, é de extrema importância que a mesma tenha as condições para conseguir responder aos atuais compromissos e novos desafios”.

Por isso, declarou, o grupo parlamentar do PSD reuniu-se, recentemente, com o reitor José do Carmo, para apurar os temas que se encontram pendentes e que aguardam há muito tempo por resolução. O financiamento do Estado à UMa, “que é manifestamente insuficiente”, constitui o principal problema da instituição.

Sónia Silva disse, que, apesar de o Ensino Superior ser uma responsabilidade exclusiva do Estado, “o Governo Regional, ciente desta situação, tem vindo a reforçar o seu apoio, nomeadamente através do orçamento regional, onde, entre outras medidas, se incluem uma verba de cerca de um milhão de euros no apoio ao curso de Medicina, o pagamento dos vencimentos de 18 docentes destacados, num investimento anual de 700 mil euros, e a cedência gratuita das instalações no Madeira Tecnopólo, assim como das instalações desportivas que a Universidade utiliza”.

Além disso, acrescentou, “no último orçamento da Região, o Governo Regional reservou uma verba adicional para contratualizar com a universidade, mas que ainda aguarda que o Estado assuma a sua parte, e que seja realizado um contrato tripartido, como fez com a Universidade dos Açores”.

Em contraponto, afirmou Sónia Silva, “assistimos ao silêncio e à inércia do Estado para com a UMa, relegando-a para o patamar mais baixo do ensino superior em Portugal, situação que não aceitamos e que queremos inverter”, queixou-se. Os deputados do PSD, na oportunidade, elogiaram ainda a prestação do reitor José Carmo à frente da UMa.