CMF tem falta de “projecto, visão e compromisso”, acusa o PSD

“Aquilo que este debate permitiu compreender é que, mais do que visões diferentes para a cidade, o que separa o PSD do Executivo da Confiança é a diferença entre ter ou não ter projecto para a cidade”, afirmou hoje o deputado municipal Bruno Melim, encerrando as intervenções a cargo do PSD e lamentando “a falta de compromisso, de palavra e de sensibilidade deste Executivo para com os problemas e desafios que o Funchal enfrenta”.

O deputado municipal social-democrata exemplificou com “a inaceitável arrecadação de receitas, pela autarquia, sem qualquer retorno aos munícipes”, segundo reza um comunicado, mas também lembrando as “inúmeras promessas por cumprir” e os constrangimentos que se mantêm inalterados, para prejuízo dos munícipes e da própria cidade, a nível da mobilidade e da acessibilidade dentro do concelho, e ainda do ponto de vista dos apoios sociais às famílias e às empresas e mesmo em matéria ambiental.

O responsável político acusou o Funchal de ser cada vez mais “uma cidade que não é para os jovens”. Isto porque “o Subsídio Municipal de Arrendamento não é actualizado há anos, não se constroem fogos para além daqueles que foram projectados pelo PSD, já lá vão 7 anos, e o programa de apoio à natalidade é burocrático, não responde às jovens famílias e parece ser atribuído aqueles que são escolhidos, arbitrariamente, por quem tutela o programa”, referiu, a respeito.

“O Estado do Funchal é, infelizmente, o Estado do seu presidente, não-eleito. Aquém das expectativas criadas, sem visão de futuro, isolado e desintegrado de uma estratégia de futuro”, sentencia o PSD. Miguel Gouveia, segundo Bruno Melim, adia as responsabilidades e refugia-se na sua zona de conforto. 2O nosso Funchal, outrora cosmopolita, hoje é uma cidade estagnada, envelhecida e, infelizmente, insegura”, queixou-se, assegurando que o PSD continuará a trabalhar para inverter esta situação.