PSD-Santa Cruz contra “orçamentos eleitoralistas”

O PSD-Santa Cruz diz que “não vota a favor de Orçamentos eleitoralistas”. A afirmação foi feita ontem, a propósito de “um Orçamento que já prevê nas suas contas um resultado líquido negativo de 1,2 milhões de euros para 2021, que se apresenta empolado face à realidade e que não contempla, por exemplo, uma única política de apoio ao tecido empresarial”. Pelos motivos invocados, “não pode ter o nosso voto a favor”, afirma o social-democrata Bruno Camacho.

O deputado municipal do PSD-M considera que esta foi mais uma oportunidade perdida, aludindo ao Orçamento apresentado pelo Executivo Municipal de Santa Cruz, que mereceu o voto contra do seu partido.

“São várias as razões que justificam a nossa posição e, a par das contas, é preciso esclarecer que neste Orçamento não consta uma única política de apoio ao sector empresarial do município não abrangido pelas medidas que o PSD aprovou, mantendo-se aqui a taxa de Derrama mais elevada do País que, como se sabe, penaliza quem investe e luta por manter os seus postos de trabalho neste concelho”, declarou. Por outro lado, considera inaceitável “que a dívida existente, ao invés de diminuir, aumente, sendo que do valor actual de 16,6 milhões, mais de 1/3 desta ( 5,8 milhões) são da autoria deste executivo desde 2018 e que mesmo após a amortização prevista de 2 milhões em 2021, esta irá crescer cerca de 300 mil euros atingindo em finais de 2021 o montante de 16,9 milhões”.

O Executivo Municipal, acusa, mantém uma componente de investimentos elevada tornando este Orçamento “eleitoralista e meramente vistoso”, prossegue Bruno Camacho, que alerta ainda para o facto de, em anos anteriores, ter sido seguido o mesmo figurino, embora sem qualquer concretização.

“O mesmo é dizer que ano após ano, esta Câmara promete milhões e executa tostões, apresentando depois saldos de gerência a transitar como se tivessem poupado milhões quando na realidade não executaram o que tinham a executar no ano previsto”, insiste, questionando “quantas vezes é que já foi anunciada, por exemplo, a abertura de escolas de formação de bombeiros com o intuito de reforçar e rejuvenescer o Corpo de Bombeiros do Nosso Concelho?”

Por outro lado, acusa o Município de ignorar “os apoios que o Governo Regional concedeu e irá continuar a conceder, em 2021, aos Munícipes de Santa Cruz em ajudas urgentes, nomeadamente através do Fundo de Emergência Social ou do FAROL amplamente divulgados pelo Município – que visam dar cobertura às perdas de rendimento do agregado familiar originadas pela situação de pandemia que vivemos atualmente e de apoio aos munícipes de fracos recursos que viram a sua situação se agravar nesta fase, “preferindo continuar na sua estratégia eleitoralista e a alocar verbas que poderiam ser canalizadas para outros tipos de ajudas”.