Mandatária de João Ferreira na RAM é Ana Salgueiro, docente e investigadora

A mandatária da candidatura de João Ferreira à Presidência da República será, na RAM, Ana Salgueiro, professora e investigadora do Centro de Estudos de História do Atlântico (CEHA). A nível nacional, recorde-se, a mandatária é Heloísa Apolónia.

Ana Salgueiro é, pois, docente e aceitou ser a mandatária política da CDU na próxima eleição do presidente da República. É doutoranda em Estudos de Cultura na Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa (UCP), mestre em Literaturas Africanas de Língua Portuguesa pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e licenciada em LLM-Estudos Portugueses, por esta última faculdade. Foi bolseira FCT (2008-2011), e é investigadora no Centro de Estudos de Comunicação e Cultura da UCP e do Centro de Investigação em Estudos Regionais e Locais da Universidade da Madeira (UMa-CIERL).
Como professora, actualmente é docente na Escola Secundária Francisco Franco, no Funchal, onde coordena a implementação do Plano Nacional de Cinema. Como investigadora, o seu trabalho, quer na área dos Estudos Literários, quer na área dos Estudos de Cultura, quer na área dos Estudos Insulares, tem-se ocupado sobretudo dos sistemas insulares da Macaronésia Lusófona (Madeira, Cabo Verde e Açores). Assumindo preferencialmente enquadramentos interdisciplinares, aborda questões como: o exílio e a mobilidade humana, cultural e textual; as implicações entre cultura e poder; a relação entre fenómenos culturais, imaginários e fenómenos naturais; o papel do discurso artístico (literário e visual) e do discurso académico nas sociedades contemporâneas. Este trabalho tem sido apresentado em reuniões científicas e eventos culturais, encontrando-se publicado em livros, actas e publicações periódicas especializadas, nacionais e internacionais.

Paralelamente, Ana Salgueiro tem integrado Comissões Organizadoras de vários encontros académicos internacionais e regionais. No UMa-CIERL, Ana Salgueiro co-fundou e coordena quer o núcleo de investigação “TRATUÁRIO. Percursos para a História da Cultura Madeirense”, quer o projecto “TRANSLOCAL. Culturas Contemporâneas Locais e Urbanas”. Entre 2012 e 2014, criou e coordenou também o projeto colectivo e interinstitucional “(Des)Memória de desastre? Cultura e perigos naturais. Madeira, um caso de estudo”, em que, pela primeira vez na região, se experimentou uma abordagem interdisciplinar e holística à problemática dos desastres naturais, em alinhamento com as propostas mais recentes da área dos Estudos de Desastre, mas bem distinta das abordagens tecnocráticas ainda hoje dominantes na RAM, salienta no seu currículo.

Integra ainda o Conselho Científico do Laboratório Galego de Ecocrítica e o Conselho Científico da revista Arquivo Histórico da Madeira, Nova Série. Colabora regularmente com várias instituições/projetos culturais não académicos, como, por exemplo: a Associação Musical e Cultural Xarabanda, através do projecto “Vértice”; o Teatro Municipal de Baltazar Dias; a revista A.Poética; a associação cultural PORTA 33; o projecto performativo PLACE; etc..
É co-autora dos livros Vozes de Cabo Verde e Angola. Quatro percursos literários (CLEPUL, 2010) e Cabral do Nascimento. Escrever o mundo por detrás de um monóculo e a partir de um farol (IA, 2015), sendo ainda coeditora da colectânea de estudo (Dis)Memory of disaster: a multidisciplinary approach (UMaCIERL,2016). É actualmente investigadora no Centro de História do Atlântico.