Miguel Albuquerque felicita novo presidente do Governo Regional dos Açores

O presidente do Governo Regional falou, hoje de manhã, com o presidente indigitado dos Açores, José Manuel Bolieiro.

Segundo uma nota de imprensa, Miguel Albuquerque deu os parabéns ao também líder social-democrata açoriano e reforçou a importância da cooperação entre os dois governos em várias matérias de interesse comum aos dois arquipélagos.

Na conversa telefónica entre os dois governantes, foi também abordada a necessidade de assumir uma frente comum em defesa dos interesses das duas Regiões Autónomas, quer junto do Estado quer junto da União Europeia.

O objetivo, explica Miguel Albuquerque, é estabelecer pontes de cooperação em áreas como a Economia, a Agricultura, as Pescas e o Turismo, mas também noutros sectores económicos. A troca de experiências na área do combate à pandemia foi outro assunto aflorado.

Nos próximos tempos serão mantidas outras conversas, de modo a reforçar os laços entre os dois governos, sempre em prol dos interesses das populações daas duas Regiões Autónomas.

Recorde-se que o Representante da República nos Açores indigitou, este sábado, José Manuel Bolieiro presidente do Governo Regional.

Isto depois do acordo de Governo entre PSD, CDS e PPM e as negociações de incidência parlamentar com a Iniciativa Liberal e com o Chega terem chegado a bom porto.

José Manuel Bolieiro já falou em novo paradigma de governação, em concertação com as outras forças políticas.

Esta solução de Governo, conforme o Representante da República dos Açores explicou, “tem em conta os resultados eleitorais” e “resultou clara das audiências realizadas e dos compromissos que os partidos políticos aí assumiram”, tendo em conta que “tanto os partidos da coligação, como os partidos que a apoiam na Assembleia Legislativa declararam que votariam sempre contra um eventual programa de governo apresentado pelo PS”.

“Abre-se desta forma uma nova fase na vida política dos Açores, com novos protagonistas e assente numa solução governativa que – alertou – exige diálogo permanente e um grande espírito de compromisso”, disse Pedro Catarino.