Pedro Calado participa amanhã no Fórum das RUP para abordar problemas da época da pandemia

O vice-presidente do Governo Regional da Madeira, Pedro Calado, participa, esta quarta-feira, dia 14 de Outubro, a partir das 13h30, no Fórum das Regiões Ultraperiféricas 2020 – Juntos para um futuro sustentável, informa uma nota de imprensa.

A sua intervenção, através de videoconferência, decorrerá no painel “Impulsionando a Recuperação nas Regiões Ultraperiféricas”, que conta com a participação de Thierry Breton, Comissário Europeu para o Mercado Interno, Indústria, Empreendedorismo e Pequenas e Médias Empresas, de diversos directores gerais da Comissão Europeia, da vice-presidente do Comité Economico e Social Europeu, para além dos vice-presidentes do Governo das Canárias, da Ilha da Reunião e o secretário regional adjunto da Presidência para as Relações Externas do Governo Regional dos Açores.

No painel em que participa Pedro Calado, serão abordados os danos, sem precedentes, causados pela pandemia de Covid-19 e o seu forte impacto socioeconómico nas Regiões Ultraperiféricas. Discutir-se-ão as necessidades pós-Covid-19 destas Regiões e identificar-se-ão soluções de retoma a nível europeu, nacional ou regional para dar uma resposta à crise, focando-se nos setores mais atingidos, como o turismo, o transporte, o emprego e a agricultura, refere um comunicado da Vice-Presidência.

“Neste debate o vice-presidente do Governo da Região Autónoma da Madeira dará conta do impacto da crise COVID na Região, nomeadamente os constrangimentos económicos e sociais que derivam da crise sanitária afetando brutalmente o Turismo, sector determinante da economia da Madeira”, acrescenta-se.

Para além da estratégia de recuperação e da forma como poderá fortalecer a sua resiliência, serão apontados os apoios de que a Região necessita para poder sobreviver a esta crise sem agravar a divergência com as outras Regiões Europeias. O Fórum das Regiões Ultraperiféricas 2020 é um evento virtual que está a decorrer, desde segunda-feira, a partir de Bruxelas, conclui o comunicado.