Olavo Câmara considera que o Mar é importante na retoma económica

O deputado socialista à Assembleia da República, Olavo Câmara, realçou, durante a sua intervenção na Comissão de Agricultura e Mar, em audição ao Ministro do Mar, a importância marinha na dinamização da economia nacional, salientando o papel importante que a economia do mar pode ter na retoma económica do país, com especial enfoque na Madeira.

Olavo Câmara começou por recordar que “a história o que nos diz é que Portugal desenvolveu-se, cresceu e soube se reinventar quando se virou para o Mar”, reforçando que “sempre tivemos um mar de oportunidades e hoje, felizmente, ao contrário do passado, temos um governo que navega esse mesmo mar”.

O parlamentar referiu que o programa governamental, assente em 7 eixos de desenvolvimento do mar, está aliado a um orçamento superior a 208 milhões de euros, o que, segundo mesmo, “demonstram bem que o governo português deixou de estar de ‘costas’ voltadas para o mar, e que o mar não só é parte integrante do nosso país, mas também é, pode e deve ser parte integrante do desenvolvimento económico e social da nossa sociedade”.

Olavo Câmara lembra ainda que Portugal, no que ao mar diz respeito, tem passado por várias “tempestades” ao longo da sua história.

“Recentemente, primeiro pelas mãos do PSD, com um tempo turbulento, em que a prioridade foi abater embarcações e desmantelar grande parte da nossa frota pesqueira. Depois com o CDS, que apesar da sua grande capacidade para comprar submarinos, nada mais deixou ao serviço do nosso mar e dos portugueses”, enumerou.

O deputado Olavo Câmara elencou assim um conjunto de questões em torno do mar, tentando perceber o impacto da Covid-19, no sector, com particular incidências nos projectos que estão a ser desenvolvidos.

O deputado madeirense aproveitou ainda para questionar quanto aos projectos das energias renováveis oceânicas, dos investimentos na aquicultura, na indústria naval e na reestruturação da frota pesqueira, ao nível do impacto que a pandemia está a ter sector.

Por fim, Olavo Câmara frisou que “todas as respostas para a ameaça climática e dependência de recursos passa por uma nova gestão do mar e que aliada ao conhecimento e tecnologia”, questionado assim quanto ao andamento desses mesmos projectos.