Iniciativa Liberal emite comunicado considerando sem sentido declaração de Albuquerque

A Iniciativa Liberal divulgou um comunicado no qual advoga que “os direitos colectivos não se podem sobrepor aos direitos individuais. A liberdade é um direito de cada um. Se um de nós não tiver liberdade isso torna o colectivo deficitário. Ao longo da história os direitos de grupo têm sido usados para infringir os direitos individuais. A tentação de impor o todo sobre as partes, é sempre grande”.

“Imagine-se um mundo onde não possa votar e decidir sobre o que acha ser melhor para si e para os seus. Um mundo onde se não possa dizer o que se pensa e sente. Um mundo onde não possamos ser o que quisermos. Um mundo onde nos possam arrombar a porta de casa e entrar por ela dentro por puro exercício de autoridade. Um mundo onde possamos ser presos sem culpa formada. Um mundo onde a nossa propriedade possa ser confiscada ser qualquer justificação ou justiça”, refere o texto divulgado à comunicação social.

Num mundo desses, assevera a IL, os nossos direitos individuais deixam de existir. Vivemos numa democracia e os direitos individuais prefiguram como característica essencial a qualquer regime democrático.

“Pensar que os direitos individuais são uma palermice, é conceber que os direitos colectivos prevalecem sobre o que cada um de nós tem de mais precioso. O presidente do Governo Regional da Madeira entende que o Estado, como expressão de uma vontade colectiva, está acima de tudo. Marx também… Engels também… Lenin também… Stalin também… Mao também… Mussolini também… Hitler também… Franco também… Salazar também…”, refere a nota divulgada.

O Iniciativa Liberal Madeira entende, pois, que “a declaração de Miguel Albuquerque” é “sem sentido. Uma declaração irresponsável. Mas não nos espanta, depois do recente estender de mão aos populistas”, conclui a nota, terminando: “Pela liberdade e pela democracia”.