PS entende que faltam “novas soluções” para o relançamento da economia regional

Os deputados do PS-Madeira realizaram hoje, em frente à Assembleia Legislativa da Madeira, uma conferência de imprensa onde salientaram a necessidade de um Orçamento Suplementar com “novas soluções” que visem o relançamento da economia regional.

O deputado Paulo Cafôfo em declarações à comunicação social, referiu que, esta semana, será debatido na Assembleia Regional o Orçamento Suplementar, onde consta “um aumento de 300 milhões de euros”, em que, na sua perspectiva, é “justificável, pela pandemia e pelas respostas que serão necessárias”.

No entanto, realçou que “há uma conclusão que podemos retirar já”, nomeadamente a de que “este orçamento suplementar e as verbas que contempla são para fazer face às despesas que o Governo Regional fez nos últimos 4 meses no combate à pandemia”, denotando ainda a “ausência de uma estratégia, de medidas concretas, de novas soluções para o relançamento e retoma da economia regional”.

Segundo Cafôfo, há “um aumento de verbas para a Secretaria Regional da Economia, referentes às “linhas de apoio aos empresários pelo Governo Regional”, mas que não reflecte uma “visão para o futuro”.

Para o socialista, falta uma estratégia e um plano para a recuperação da economia, com medidas concretas que podiam fazer a diferença nesta altura.

“Numa altura em que a Madeira tem já 18 mil desempregados, ou seja, metade da população activa, está ou desempregada ou está em layoff, são necessárias novas soluções que alavanquem a economia regional”, dando conta de que, de Maio para Junho, a Madeira foi a região do país que registou o maior aumento em termos de desemprego”, apontou.

“Não serve só derramar dinheiro, é preciso termos objectivos concretos, se quisermos obter resultados concretos, particularmente, na dinamização da nossa economia”. O Partido Socialista desejaria assim ver contemplado neste orçamento, um programa onde, por exemplo, uma baixa dos impostos, um desagravamento fiscal, particularmente na questão do IVA, bem como novos investimentos públicos.

No que o ao sector do turismo diz respeito, Paulo Cafôfo refere que “infelizmente, a Secretaria Regional do Turismo não tem qualquer reforço de verbas, e seria importante que nesse que é o principal sector da economia da região”.

Paulo Cafôfo esperava que o Orçamento Suplementar viesse dinamizar este sector, tendo em conta as dificuldades na retoma do mesmo. “O PS já propôs, por exemplo, um fundo de captação de novas rotas aéreas, para obtermos mais rotas, mais companhias, ou seja, mais turistas, tirando vantagem do bom desempenho em termos do combate à pandemia”, aponta assim uma possível solução.

“Portanto, esperaremos, obviamente, pelos esclarecimentos por parte do Governo Regional, e apresentaremos também, em sede de debate de orçamento, as nossas propostas de alteração, tendo em conta a retoma da economia”, concluiu.