Joana Silva diz que a CMF “finalmente reconheceu pretensões do PSD quanto às bolsas do Ensino Superior”

Continua a troca constante de galhardetes e a luta política entre o Executivo socialista e a oposição na Câmara Municipal do Funchal. Depois de hoje o edil Miguel Gouveia ter lançado algumas críticas à oposição que disse, aquando da campanha eleitoral, que os socialistas queriam distribuir “bolsas a pataco”, mas votou agora favoravelmente o alargamento da atribuição das mesmas a outros anos dos cursos superiores, vem agora o PSD, dizer que foi “finalmente reconhecida uma das suas pretensões quanto ao Regulamento de atribuição das Bolsas do Ensino Superior”, sublinhando que “esta Câmara tenha decidido incluir as licenciaturas com mais de três anos – o que foi, desde a primeira hora, uma batalha nossa e representa um avanço positivo, embora tardio – num Regulamento que, ainda assim, continua a deixar de fora os alunos dos Cursos Técnicos Superiores”. Declarações de Joana Silva, vereadora do PSD eleita à CMF, ao anúncio feito hoje, na reunião camarária, de que os alunos universitários em licenciaturas com mais de três anos seriam abrangidos por este apoio.

No final do ano passado, os vereadores do PSD apresentaram uma proposta de recomendação ao Executivo que incluía este alargamento temporal e a inclusão dos alunos dos Cursos Técnicos Superiores no âmbito deste Regulamento de atribuição de Bolsas, sendo que é de reconhecer que, pelo menos, uma das nossas preocupações foi atendida”, diz Joana Silva, vincando que, relativamente aos alunos que neste momento continuam excluídos, o PSD “mantém a sua posição e considera que, por uma questão de justiça e equidade, não deveria existir qualquer discriminação no acesso a estas ajudas, muito menos nesta fase em que as famílias funchalenses mais precisam”.

A vereadora sublinhou ainda e desta reunião, o facto da autarquia ter decidido arrancar com o início da obra do Caminho do Jamboto, “uma decisão que mostra que a Câmara soube recuar naquilo que foi considerado, em 2019, uma intervenção inútil pelo Executivo e na altura em que o PSD apresentou a proposta para a sua execução, mas que, finalmente, avança a favor da segurança das pessoas que nele circulam”.

A vereadora social-democrata assume estas duas decisões hoje avançadas pelo Executivo de Miguel Gouveia como “mais um incentivo a que o PSD reforce os seus alertas e mantenha a sua persistência, num trabalho que será sempre levado a cabo ao lado dos Funchalenses e em nome do bem colectivo do concelho”.