Restrições para a actividade dos cruzeiros propostas pela UE são rígidas

Foto Rui Marote

A Região Autónoma da Madeira terá de haver-se, dentro em breve, com as directrizes estabelecidas pela União Europeia para o regresso das actividades de cruzeiro. As mesmas são bastante restritivas e prometem vir a complicar também a vida à RAM, no que concerne ao possível afluxo de navios de cruzeiro. Está prevista separação de passageiro a bordo consoante as idades, testes à Covid 19 para todos e navios a funcionar com capacidade reduzida.

Além do mais, as companhias deverão elaborar um plano de contingência para um eventual surto de infecção pelo novo coronavírus, para poderem providenciar tratamento médico, caso seja necessário, repatriamento e quarentena em terra para qualquer passageiro ou membro da tripulação que entre em contacto próximo com uma pessoa infectada, conforme se refere.

As directrizes europeias têm como consequência pedidos da instituições que representam as companhias de cruzeiros aos passageiros de grupos de alto risco, especialmente os mais idosos, para que consultem um médico antes do embarque, solicitando avaliação.

Por outro lado, a separação por faixa etária a bordo não seria aplicável apenas aos passageiros, mas também à tripulação, de forma a reduzir os riscos para os tripulantes mais velhos ou com patologias que os tornem mais susceptíveis.

As companhias de cruzeiro podem considerar testar todos os passageiros à Covid-19 antes do embarque e monitorizar frequentemente toda a tripulação (incluindo testes à Covid-19), recomendam as instâncias europeias. As viagens de navio prevêm-se mais curtas, nomeadamente de três a sete dias no começo, com limitação, inclusive, do número de escalas. As medidas de higiene a adoptar devem também incluir o uso de máscaras faciais pelos passageiros e pela tripulação, a eliminação do aperto de mão e a presença de estações de desinfecção de mãos em todo o navio. As orientações também exigem que a ventilação forneça o máximo de ar externo possível.

Quanto aos camarotes dos navios, não devem incluir nada que não possa ser limpo e desinfectado entre as ocupações, como menus, revistas, embalagens de café ou chá e produtos do minibar. A União Europeia quer  até que tampas descartáveis sejam colocada nos controlos remotos das TVs, ou pelo menos, que possam ser limpos e desinfectados.

Estas orientações europeias abarcam também excursões em terra, com a UE a sugerir que os operadores turísticos implementem o distanciamento físico e sigam os protocolos de limpeza e desinfecção.