Madeira prepara “testes rápidos” à chegada dos passageiros; saiba o que diz uma circular da Direção-Geral de Saúde

A Direção-Geral de Saúde emitiu uma circular sobre testes laboratoriais SARS-CoV-2 e testes rápidos, num contexto em que a Madeira prepara o fim da quarentena, a retoma turística em julho e uma estratégia de controlo à chegada dos passageiros ao Aeroporto Internacional da Madeira Cristiano Ronaldo, por forma a provocar o menor incómodo. E nesse enquadramento, como já avançou o secretário regional da Saúde e Proteção Civil, os testes deverão ser aqueles que na prática levam menos tempo. O tais testes rápidos que a DGS afirma levar entre 10 a 30 minutos.

Pedro Ramos disse, na Assembleia, ser muito provável que os testes que levem sensivelmente dez minutos sejam os escolhidos para controlar os passageiros que chegarão à Madeira, sendo que já hoje, o presidente do Governo foi mais cauteloso quando afirmou que a estratégia está a ser estudada, o que revela a inexistência, ainda, de soluções fechadas para que a retoma do turismo, mesmo sendo gradual, ocorra com o “carimbo” da confiança.

A Direção-Geral de Saúde revela que “os testes não automatizados ou testes rápidos, que são dispositivos para diagnóstico in vitro para a realização de testes rápicos ou de pequenas séries, com baixa complexidade de execução técnica, e que permitem a obtenção dos resultados em 10 – 30 minutos”, avançando ainda que “os testes serológicos automatizados e rápidos detetam a presença de anticorpos IgA, IgM e IgG para o SARS-CoV-2. Sendo testes de deteção da resposta imunológica, não estão recomendados para diagnóstico de novos casos de Covid-19. A resposta imunológica na infeção por SARS-CoV-2 é detetada a partid da segunda semana de infeção, ou seja, cerca de 8 a 10 dias após o início dos sintomas”.

Relativamente a testes de deteção de componentes do vírus (RNA) por biologia molecular, temos: RT-PCR convencional ou em tempo real (RT-PCR); Baseados em RT-PCR em sistema fechado, em equipamentos específicos, que permitem a obtenção dos resultados num períoddo tempo mais curto (habitualmente menos de 1 hora, conhecidos por testes “rápidos” de rRTPCR), que os testes de biologia molecular convencional ou em tempo real. Apesar disso, estes testes, que podem ser realizados em equipamentos portáteis, não são abrangidos pela definição de “teste rápido” abaixo indicada.

Saiba todos os pormenores da circular da DGS sobre os testes num momento em que os estudos decorrem para que a chegada à Madeira dos passageiros ocorra da forma mais confiante e segura:

DGS circular-informativa-conjunta-dgsinfarmedinsa-n-003cd10020200-de-27052020-pdf.aspx