PS-Funchal quer obras de protecção junto às ribeiras na zona do Campo da Barca

Membros da concelhia do Funchal do Partido Socialista estiveram, esta manhã, junto à ribeira de João Gomes, na zona do Campo da Barca, para apontar uma crítica à inexistência de uma intervenção nos muros de protecção neste curso de água por parte do Governo Regional, por forma a garantir a segurança das pessoas.

Passados que estão quase 10 anos após o temporal de 20 de Fevereiro de 2010, o porta-voz da iniciativa, António Gomes, deu um parecer negativo ao trabalho do Executivo madeirense, apontando o exemplo concreto dos muros da ribeira que ainda estão por fazer. No local foram colocados blocos de cimento, afastados uns dos outros, deixando abertas para a ribeira, o que coloca em causa a segurança dos transeuntes, que correm o risco de cair para o leito do curso de água.

Após a intempérie que assolou a Região, o PS-Funchal sustenta que se impunha a reconstrução dos varandins e das protecções das estradas junto às ribeiras que atravessam a nossa cidade. “Passaram-se quase 10 anos, tivemos disponíveis milhões de euros da Lei de Meios e nada se fez em relação às margens das ribeiras, na cidade do Funchal”, denunciam os socialistas.

António Gomes referiu-se também às intervenções que foram feitas nas fozes das ribeiras de Santa Luzia e João Gomes, em que o afundamento do leito tem feito com que se dê a entrada de água salgada, infiltrando-se nas estruturas dos prédios e degradando-os com mais facilidade.

Os socialistas acusam também o Executivo de ter vindo a destruir algumas pontes e a betonizar as margens das ribeiras, “destruindo e escondendo as muralhas das ribeiras que resistiram a todas as intempéries durante mais duzentos anos”. Segundo o PS-Funchal, este Governo usou como desculpa a segurança da cidade para cometer tais delitos. “As pontes centenárias da nossa cidade pertencem à nossa história e são elementos de atracção turística, sector importante para a nossa economia e emprego”, frisa o PS.

Assim, a concelhia do Partido Socialista do Funchal apela ao Governo Regional para que, nas intervenções futuras, “não faça desaparecer o nosso património colectivo e a nossa história, realizando as intervenções necessárias e urgentes nas ribeiras da cidade do Funchal, garantindo em simultâneo a segurança e a defesa do nosso património colectivo”.