Teófilo Cunha reuniu-se com o presidente da COOPESCA para ouvir reivindicações dos pescadores

O secretário regional do Mar e Pescas, Teófilo Cunha, e o presidente da COOPESCA, Jacinto Silva, reuniram-se na Direcção Regional de Pescas para tratar de assuntos relacionados com o sector. O director regional de Pescas, Rui Fernandes, esteve presente no encontro, o primeiro de uma série que Teófilo Cunha quer realizar. A COOPESCA representa pescadores e armadores da RAM, e o secretário da tutela que diz querer “conversar com todos” quis ouvi-los para “saber das suas dificuldades e arranjar soluções para os seus problemas”.
Jacinto Silva, por seu turno, disse que “foram discutidas algumas coisas muito importantes”, entre elas a pesca do atum, do peixe espada preto, e de “todas as espécies”. Os pescadores dizem esperar “uma luz” neste Natal em termos de subsídios, pois há embarcações que “precisam de renovação” principalmente em Câmara de Lobos, onde os barcos “já estão um bocado degradados”.
Abordada nesta reunião foi também a questão da dívida que a COOPESCA tem para com o Governo Regional, por causa da utilização de instalações de frio. Sem resolver este assunto, a associação diz-se “de mãos atadas”, pois precisa de formar pescadores, e “sem isto estar desbloqueado não há forma de andarmos para a frente”. Não quis no entanto falar sobre o valor da dívida, dizendo que “tinha de consultar o contabilista” para debater futuramente esse assunto em novas reuniões com o Governo Regional. Os pescadores ambicionavam ainda um subsídio para a pesca da ruama, o tubarão de profundidade que vem juntamente com a pesca do peixe-espada, mas Teófilo Cunha explicou aos jornalistas que a quota que a Madeira tem para isso “é uma quota excepcional”, atribuída apenas porque este esqualo é pescado aquando da pesca do peixe-espada. Se fosse só para pescar ruama, “a União Europeia não atribuiria qualquer autorização”.