Manter a presença de meios aéreos de combate a incêndios e reforçar a capacidade de prevenção

Proteção Civil helicoptero
O Governo pretende “um Serviço Regional de Proteção Civil moderno, eficiente, capaz e participativo”.

O Governo Regional deixa expresso, na sua proposta de programa que passará a ser discutido no Parlamento, aquilo que pretende relativamente ao Serviço Regional de Proteção Civil: “um serviço moderno, eficiente, eficaz e participativo”. Para isso, “torna-se fundamental definir uma estratégia de proximidade com todos aqueles que contribuem para a proteção e o socorro, formar e apetrechar o dispositivo de resposta regional com valência e meios adequados e adotar uma cultura de proximidade com o cidadão comum, ganhando maior confiança de todos quantos esperam do SRPC o apoio em situações que vão para além da normalidade”

O Executivo quer “contribuir para um SRPC mais participativo passando isso, igualmente, por contribuir para o empowerment da população residente permitindo dotada de procedimentos eficazes e eficientes nas suas medidas de autoproteção, bem como dos que lhes são mais próximos”.

Como orientações estratégicas, o Governo defende:

. Prestar socorro eficaz e eficiente em todas as suas dimensões adequado à RAM.

. Aperfeiçoar as capacidades de Comando, Controlo e Comunicações das ações de Proteção Civil.

. Aumentar a cultura de Proteção Civil da População da RAM.

. Reforçar a capacidade de prevenção dos Riscos.

. Aumentar a capacidade dos meios e dispositivos disponíveis. .

Aumentar a capacidade de proteção dos agentes.

.  Manter a presença dos meios aéreos próprios para combate a incêndios.

. Incrementar o programa POCIF. .

Manter a relação de contrato-programa com as Associações Humanitárias de Bombeiros. . Aumentar os níveis de formação e qualificação dos agentes de proteção civil na RAM.