Carlos Pereira elogia subida do rating da dívida da Madeira e faz “alerta urgente” à “berraria” no Porto Santo

CARlos Pereira
Carlos Pereira vai reunir com a ACIF na próxima terça-feira, pelas 17.30 horas.

O cabeça de lista do PS-Madeira às eleições nacionais de 6 de outubro Carlos Pereira comentou, na sua página da rede social Facebook, duas questões que têm estado na ordem do dia, do ponto de vista político, económico e social. Uma refere-se ao anúncio da agência de notação financeira Moody’s, que melhorou o rating da dívida de longo prazo da Região, que merece um elogio. Outra, o barulho nas noites do Porto Santo, que merece uma crítica.

O ex. líder socialista madeirense considera que “a subida do rating da dívida da RAM é uma boa notícia para a Madeira e para os madeirenses. Uma Autonomia saudável exige transparência e contas públicas equilibradas . Nem sempre tem sido assim! Mas para o futuro este tema deve (também) gerar os consensos certos para que o desequilíbrio das contas não seja uma arma de arremesso político contra os madeirenses e contra o aprofundamento da autonomia . Não há nenhum interesse em promover a Madeira contra a Madeira mas sempre a Madeira a favor dos madeirenses”.

Relativamente às noites do Porto Santo, Carlos Pereira faz aquilo que escreve como “alerta urgente”, referindo que “ninguém tem o direito de roubar a tranquilidade dos cidadãos Uma berraria pela noite dentro em plena cidade é um sinal de subdesenvolvimento. É mesmo um atraso civilizacional que compromete a qualidade do destino e a qualidade de vida de todos os cidadãos que têm direito à tranquilidade. São duas horas e vinte minutos da manhã e no Porto Santo ninguém dorme porque o barulho é infernal e insuportável. Acho bem a animação e todas as iniciativas que promovam, atraiam visitantes e ajudem a dar dinâmica e vida própria aos locais   . Mas já acho despropositado e contraproducente uma discoteca a céu aberto em actuação diária e pela noite dentro . É um inferno e não compreendo que ninguém ponha termo a este disparate . Venha de onde vier e de quem vier!”