Junta de Freguesia da Madalena do Mar vai apresentar proposta na Câmara para criar estacionamentos na marginal, abaixo-assinado já circula

madalena do marA Junta de Freguesia da Madalena do Mar vai assumir a entrega, junto da Câmara Municipal da Ponta do Sol, de uma proposta que visa a criação de estacionamentos ao longo da marginal, uma reivindicação dos comerciantes mas também de muitos dos que nesta altura do ano visitam aquela zona de praia da freguesia e que só têm como solução colocar os carros em cima dos passeios, em infração.

O assunto não é novo e a Autarquia de Célia Pessegueiro já aprovou inclusive uma proposta apresentada pela vereadora do CDS Sara Madalena, que aponta uma zona coexistência, contemplando estacionamentos, mas num formato mais abrangente em que a área sofre alterações de circulação e de prática de desportivos de lazer.

Agora, junto dos estabelecimentos comerciais, já circula um abaixo-assinado para que os clientes possam subscrever e reforçar o documento a apresentar na Câmara, sendo que os comerciantes revelam a importância desta medida como “fundamental para que seja encontrada uma solução rápida, uma vez que os problemas de estacionamento são deste momento e como tal exige resposta imediata. É uma necessidade e uma decisão que favorece não só os comerciantes mas também a freguesia e o próprio concelho”.

E é precisamente para atender a este pressuposto que a Junta preparou o documento, onde lembra que “a Avenida 1º de fevereiro e Antiga Estrada Regional 101-10 (frente ao Bairro dos Pescadores), freguesia da Madalena do Mar, é da responsabilidade deste Município, após a conclusão da variante entre a rotunda do V Centenário e a freguesia do Arco da Calheta”.

Neste contexto, a Junta recorda, também, a menor circulação de automóveis por aquela via, em função da nova variante, além da dificuldade que os comerciantes e visitantes sentem relativamente aos estacionamentos sem infringirem o código de estrada, apontando a procura, todo o ano, pelos estabelecimentos comerciais e o enorme potencial que a frente mar, como razões para o caso merecer atenção redobrada.

A Junta defende considera que uma “pequena intervenção na marginal de forma a criar mais estacionamentos, que vá ao encontro dos anseios da população e comerciantes, tem custos muito reduzidos de acordo com estudos já efetuados”, sublinhando ainda que esta medida “não invalida uma outra que passe claramente pela requalificação de toda a marginal, dotando-a de outras valências, uma vez que a procura de soluções de mobilidade tem de ser uma constante de maneira a salvaguardar o bem-estar dos cidadãos, adotando soluções adequadas aos novos tempos”.

Diz aquele orgão de poder local que os comerciantes já foram ouvidos e faz a proposta, em nome da população, diretamente à Câmara, para que “seja redefinida a sinalização horizontal, assim como a colocação de sinalização vertical de delimitação de velocidade com também a restrição a circulação de automóveis pesados  acima dos 7500 kg (7,5t) de modo a serem criados estacionamentos em toda a extensão norte da Marginal, com a salvaguarda de acesso automóvel às respetivas moradias, possibilitando a manutenção das duas vias de circulação existentes”.