CDS quer travar a saída de talentos, aumentar competências e reduzir o abandono escolar precoce

margarida pocinho cdsTravar a saída de cérebros e talentos da Região para o exterior, reduzir o abandono escolar precoce, aumentar o nível de competências e qualificações da população activa, trazer a Madeira para as médias europeias no plano da educação, inovação tecnológica, ciência e investigação, são, em resumo, as linhas-mestras do programa de governo que o CDS-PP Madeira irá apresentar às populações da Madeira e Porto Santo, no âmbito das eleições regionais de 22 de setembro.

“Temos de fazer, definitivamente, uma aposta na ciência, inovação, investigação e tecnologia, áreas em que a Madeira está muito aquém da média europeia”, referiu a porta-voz do encontro com a comunicação social, Margarida Pocinho, membro da Comissão Política Regional do CDS-PP. “Acresce a isto uma elevadíssima taxa de pessoas com baixas qualificações, que não chegam a ter o 9.º ano, estamos a falar de cerca de 63% da população ativa, de acordo com um estudo revelado pela Pordata.”

Os números do abandono escolar precoce também merecem reparos do CDS. Uma taxa de 17% que não abona a favor do ensino regional, mas também “a falta de transparência ao nível dos números e da estatística, que deixam muito a desejar na Região”, conforme mencionou a professora e investigadora da Universidade da Madeira. “Paradoxalmente, estamos a perder cérebros, que todos os dias emigram à procura de melhores condições de trabalho. É preciso repensar o apoio aos jovens, principalmente ao nível do mundo do trabalho onde sentem uma elevada insegurança, têm falta de protecção social, precariedade laboral e até chegam a ter pobreza e más condições de trabalho. É preciso saber porque razão isto acontece e tomar algumas medidas.”

Regionais 2019

Margarida Pocinho avança com as medidas que devem ser implementadas. “Apoiar os programas de formação/educação mas adaptá-los às necessidades reais do mercado do trabalho, promover a aprendizagem ao longo da vida, produzir medidas políticas que ajudem na transição escola/universidade/vida activa, promovendo, principalmente, a igualdade de oportunidade entre todos os jovens para que tenham empregos de qualidade”, sublinhou.