Quinze dias de discussão pública para o novo Hospital da Madeira

Hospital novo imagem A
“O processo encontra-se patente na Direção Regional do Equipamento Social e Conservação, localizado no 4.º andar do edifício sito à Rua Dr. Pestana Júnior, n.º 6, 9064-506 Funchal, podendo ser consultado nos dias úteis, no horário de expediente 09H00 – 12H30 e 14H00 – 17H30.
Hospital novo imagem C
Depois de muita polémica à volta do financiamento do novo Hospital da Madeira, com a Região a contestar as contas da República, o processo vai para discussão pública.

A secretaria regional dos Equipamentos e Infraestruturas deu conta, hoje, que no prazo de 15 dias, a contar do oitavo dia posterior à publicação deste aviso no Jornal Oficial (publicação ocorreu hoje no JORAM), “se procede à discussão pública da obra de Construção do Hospital Central da Madeira”.

A mesma informação revela que “o processo encontra-se patente na Direção Regional do Equipamento Social e Conservação, localizado no 4.º andar do edifício sito à Rua Dr. Pestana Júnior, n.º 6, 9064-506 Funchal, podendo ser consultado nos dias úteis, no horário de expediente 09H00 – 12H30 e 14H00 – 17H30. O processo encontra-se ainda disponível para consulta no site www.madeira.gov.pt/srei .”

Refere a mesma informação que “as sugestões, reclamações, observações e pedidos de esclarecimento no âmbito da participação deverão ser apresentadas por escrito, preferencialmente registadas em folhas próprias, cedidas gratuitamente, disponíveis no local da consulta e no site supra indicado, que após preenchidas poderão ser entregues diretamente no local ou enviadas por correio ou para o endereço eletrónico dresc@madeira.gov.pt, devendo dar entrada nos serviços da Direção Regional do Equipamento Social e Conservação, até ao fim do período da discussão pública.”.

Recorde-se que o novo Hospital da Madeira é um processo envolto em polémica, com críticas do Governo Regional relativamente ao financiamento e às contas feitas pela República, sendo que a Região sempre referiu que a construção iria para a frente independentemente da contabilidade feita em Lisboa.