Albuquerque no Conselho de Estado com Lagarde como convidada a fazer elogios e alertas para o futuro

Christine Lagarde: “Estou orgulhosa pela forma como o FMI foi capaz de prestar apoio a Portugal – como um parceiro e amigo firme”.
O presidente do Governo Regional está a participar no Conselho de Estado.
Lagarde: “O PIB real é hoje superior ao nível registado antes da crise”.

O presidente do Governo Regional está presente no Conselho de Estado, que se encontra reunido tendo como convidada a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde.

Numa nota colocada no site da presidência da República, é referido que “o Conselho de Estado, reunido sob a presidência de Sua Excelência o Presidente da República, hoje, dia 1 de março de 2019, no Palácio de Belém, analisou as perspetivas da economia mundial e o impacto na economia da União Europeia, tendo debatido os desafios, a nível económico e financeiro, que se apresentam ao mundo, à Europa e a Portugal no quadro do curto, médio e longo prazo. O Presidente da República convidou a Diretora-geral do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, para apresentar ao Conselho de Estado uma exposição introdutória. Após a exposição seguiram-se as intervenções dos Senhores Conselheiros de Estado”.

Na sua intervenção, Lagarde considerou que “Portugal e os portugueses merecem um crédito enorme pelos seus esforços, dos quais estarão seguramente orgulhosos. Do mesmo modo que eu estou orgulhosa pela forma como o FMI foi capaz de prestar apoio a Portugal – como um parceiro e amigo firme. Portugal realizou progressos enormes E assim, após uma década de crise e recuperação podemos afirmar que Portugal conseguiu alcançar enormes progressos: O PIB real é hoje superior ao nível registado antes da crise; a taxa de desemprego é a mais baixa em 15 anos; e a reforma laboral implementada durante o programa está a facilitar uma forte criação de emprego; O ambiente de negócios é mais atrativo para os investidores. Por exemplo, em meados de 2000 era necessário quase um mês para criar uma empresa, agora demora menos de cinco dias; A economia recuperou o equilíbrio e voltou-se mais para as exportações, incluindo um setor do turismo revigorado, o que levou a balança corrente a passar de défices crónicos de cerca de 10% do PIB para uma posição equilibrada”.

Mas Lagarde, no meio de um otimismo, faz “avisos à navegação”: “A minha principal mensagem hoje é de que Portugal terá de continuar a inspirar-se na sua ilustre tradição, porque é provável que as águas da economia mundial se venham a tornar mais traiçoeiras. Vasco da Gama “não tinha medo da escuridão”, explorou o Oceano Índico e tinha consciência que era importante avançar mesmo quando o horizonte era sombrio. A minha recomendação é que façam o mesmo hoje. Que pilotem e não se deixem ficar à deriva. Os riscos no resto do mundo são cada vez maiores e é provável que representem a principal fonte de instabilidade para a economia portuguesa. Assim, devem partir do sucesso recente para reforçar ainda mais a vossa resistência. Poderá ser difícil implementar agora as reformas, mas estas reformas ajudarão durante uma tempestade”