JSD apresenta propostas para o futuro da Cultura na Região

Foto DR.

A ‘Semana da Cultura’, uma iniciativa que a JSD Madeira levou a cabo entre os dias 11 e 15 de fevereiro, ficou marcada por duas questões essenciais. Uma referente à valorização das carreiras profissionais ligadas às artes. A outra relativa ao futuro da Cultura como um vetor ligado à economia, à criação de emprego e ao turismo.

Segundo um comunicado hoje divulgado, a JSD propôs assim três linhas de atuação. “Primeiro uma educação para a inclusão” assumindo-se como “um papel fundamental na difusão da cultura madeirense” defendeu esta sexta-feira, em conferência de imprensa, Bruno Melim, no âmbito do encerramento desta iniciativa que decorreu com uma visita à Associação ‘Dançando com a Diferença’.

Para o presidente do JSD Madeira a segunda linha mestra prende-se com a criação de projetos de coordenação regional com jovens artistas que estão emigrados. “São grandes quadros nas suas áreas culturais, que possam trazer mais valias à Região Autónoma da Madeira.”

A terceira proposta lançada pelos jovens sociais-democratas é a criação de um serviço público que destinado artes performativas – ao canto, ao teatro e à dança – para que “no futuro tenhamos jovens, que independentemente da sua formação e do seu meio, possam abraçar as suas carreiras artísticas como um talento, como uma vocação e, assim, realizarem-se [profissionalmente]”, sublinhou.

Para Bruno Melim, é importante valorizar a Cultura Madeirense. “Porque no dia em que nós perdermos a nossa cultura, deixamos de existir do ponto de vista da Autonomia, do ponto de vista político, e de ter uma coisa que é muito nossa que é: o Ser Madeirense.”

Por isso reforçou a importância de valorizar a Cultura e as pessoas ligadas às artes, algumas delas de referência a nível internacional, e que poderão trazer uma nova realidade à Madeira. “A cultura poderá ser um futuro, ligado à economia, à criação de emprego, ao turismo e com isso fazer com que de facto haja uma mudança e o respeitar de um lugar de gerações”, concluiu.