Susana Prada com 22 milhões para gerir em 2019

No global, a despesa orçamentada da Secretaria Regional do Ambiente e Recursos Naturais (SRA) ascende a 22,0 milhões de euros, dos quais 11,7 milhões de euros estão afetos a despesas de Investimento do Plano, e o remanescente, 10,3 milhões de euros, relacionados com o funcionamento normal dos serviços integrados na proposta de Orçamento.

Dado a natureza das suas atribuições, as despesas correntes, que ostentam 80,5% das despesas totais, desagregam-se da seguinte forma: Transferências correntes com 7,6 milhões de euros (destinadas essencialmente ao Instituto das Florestas e Conservação da Natureza); Despesas com pessoal com 4,8 milhões de euros; Subsídios com aproximadamente 3,2 milhões; e Aquisição de bens e serviços com 2,0 milhões de euros.

As despesas de capital, orçadas em 4,3 milhões de euros, distribuem-se pela Aquisição de bens de capital, com 0,3 milhões de euros e pelas Transferências de capital, com 3,9 milhões de euros.

No cômputo geral, haverá uma diminuição da despesa deste departamento, em relação ao orçamento de 2018, o que representa-2,7 milhões de euros (-11,1%), com destaque para a rúbrica dos Ativos financeiros que no orçamento de 2018 tinha 2,9 milhões de euros e para 2019 não tem previsto qualquer valor.

Contudo, se aos valores em análise excluirmos a despesa financeira verificamos que existe uma manutenção dos valores afetos a esta área do Governo Regional (cerca de 22 milhões de euros em cada um dos anos).

Na distribuição das dotações por capítulo, sobressai o funcionamento normal, com 53,2% da despesa (11,7 milhões de euros), onde estão incluídas as despesas com o funcionamento do Gabinete do Secretário Regional e das Direções Regionais do Ambiente e do Ordenamento do Território.