“Se for preciso, até o Filipe Sousa vem para aqui vender medicamentos”, garantiu edil santacruzense em protesto contra a farmácia do Santo da Serra

O edil de Santa Cruz e o presidente da Junta de Freguesia do Santo da Serra associaram-se, hoje, a um protesto da população contra a forma como está a funcionar a farmácia naquela localidade. Em causa, refere uma nota da autarquia, está a falta de medicamentos, o não cumprimento do horário e exigência de pré-pagamento dos medicamentos em falta.

Perante quase uma centena de pessoas, Filipe Sousa garantiu que não aceitará, de forma alguma, que o Santo da Serra fique sem farmácia, “nomeadamente quando o que está em causa é uma possível vingança contra a intransigência da autarquia em não deixar a população sem medicamentos”.

É desejo dos proprietários daquele estabelecimento transferirem o negócio para a freguesia do Caniço, o que colide com o interesse da população e tem, por isso, merecido clara oposição da câmara e da junta, referem estas. Aliás, em 2015, a autarquia chumbou a deslocalização da farmácia.

Filipe Sousa disse já à população que estará sempre ao lado das pessoas nesta luta e que tem mantido contacto com a Ordem dos Farmacêuticos, prometeu também levar os actuais problemas ao conhecimento o IASAÚDE, na certeza de que o Governo Regional está do lado da Câmara nesta luta.

Também José Reis, presidente da Junta de Freguesia do Santo da Serra, comprometeu-se a lutar ao lado da população e elogiou a grande participação das pessoas. “A união faz a força”, disse.

E foi a união de quase uma centena de pessoas que hoje se manifestou, com o apoio dos autarcas contra a degradação do serviço que está a ser prestado pela farmácia, garante a Câmara santacruzense.

Filipe Sousa garantiu que o Santo da Serra não ficará sem medicamentos, sobretudo porque em causa está uma população maioritariamente envelhecida e, por conseguinte, mais desprotegida. O autarca diz ter garantia de que, em caso de desistência dos actuais responsáveis pela farmácia, existem outros interessados. E, se for preciso, “até o Filipe Sousa vem para aqui vender medicamentos”.