Lixo acumula-se na Rua da Carreira a pouca distância dos restaurantes e esplanadas

*Com Rui Marote

A objectiva sempre atenta do repórter fotográfico do FN captou há pouco, por volta das sete e meia da tarde, estas imagens edificantes. Numa zona onde se multiplicam os restaurantes, onde os peões têm praticamente de fazer um “slalom” por entre as esplanadas e os empregados, onde há padarias, etc., precisamente na hora das refeições, quando acorrem àquele local não só madeirenses mas sobretudo numerosos turistas, era este o cenário que se apresentava. Sem dúvida, digno de uma zona como aquela, uma artéria histórica, uma das ruas mais antigas do Funchal, fechada ao trânsito e praticamente toda entregue ao comércio de restauração.

Há aqui qualquer coisa de errado, quer eventualmente com os horários de recolha do lixo, quer com a hora a que os próprios restaurantes colocam na rua o seu lixo – porque se nos afigura provável que a maior parte do mesmo provenha destes estabelecimentos comerciais e de restauração. Assim, estão a minar o seu próprio negócio. Sob todos os pontos de vista, a situação não nos parece admissível.