Intervenção na “Fernão Ornelas” já começou e há mudanças no trânsito

Fernao Ornelas A
A intervenção da Câmara implica alterações do trânsito. A Rua do Seminário passa a ser descida e sobe a Rua do Ribeirinho de Baixo.
Fernao Ornelas C
Troço fechado entre a Rua do Ribeirinho e Rua Visconde do Anadia.

A intervenção que a Câmara Municipal do Funchal irá desenvolver, por fases, na Rua Dr. Fernão de Ornelas, que visa o encerramento ao trânsito automóvel, começou hoje com o fecho do troço entre a descida para o parque de estacionamento do Centro Comercial Anadia e a Rua do Anadia, bem como a alteração na circulação automóvel, com a descida na Rua do Seminário e subida pela Rua do Ribeirinho de Baixo. O restante troço da Fernão Ornelas, entre o Largo do Phelps e a descida para o parque, está aberto.

Esta manhã de dia de alterações tem sido particularmente morosa para quem sobe a Rua do Ribeirinho de Baixo, onde o trânsito tem circulado com grandes paragens, sendo que esta alteração sobrecarrega, também, o troço da Rua do Carmo, para onde passa a ser canalizado um fluxo maior de tráfego.

Fernao Ornelas BDe acordo com a última informação da Autarquia, esta refere que “a circulação rodoviária continuará a poder ser feita com normalidade na Rua Dr. Fernão de Ornelas, entre o Largo do Phelps e a Rua do Ribeirinho”, sendo que nesta primeira fase da intervenção, “serão apenas substituídas as redes de saneamento básico e repavimentado o troço compreendido entre a Rua do Visconde de Anadia e a Rua do Ribeirinho de Baixo”, este o troço que encerrou esta manhã.
Diz a Câmara que “as restantes fases da intervenção terão lugar a partir do início do próximo ano e, diz a Câmara, “asseguram que esta rua histórica terá uma nova imagem e melhores condições para o comércio, à semelhança do que já aconteceu ao longo dos anos, em várias outras ruas da cidade”.
A atual gestão autárquica liderada por Paulo Cafôfo considera que “a valorização da Rua Dr. Fernão de Ornelas, que é o principal eixo comercial da cidade, é absolutamente estratégica para a economia local e para o turismo do concelho”, mas diz que o encerramento da rua nunca acontecerá antes de 2019.