Albuquerque pede PSD de “luta” contra “bonequinhos articulados”

Albuquerque posse
Miguel Albuquerque levantou, para os TSD, as bandeiras que o fazem acreditar numa vitória em 2019.

“As 35 horas semanais, os 25 dias de férias, o combate à precariedade”. Foi assim que Albuquerque, líder do PSD-M, sustentou aquilo que disse relativamente ao facto de a Região Autónoma ser em sua opinião, “um exemplo para o restante território nacional em matérias laborais. Uma declaração proferida hoje durante a tomada de posse das secções laborais da Comunicação e dos Motoristas dos TSD/Madeira.

“Em Lisboa ainda se discute as 35 horas, na Região as 35 horas foram introduzidas em 2015”, a aplicação dos 25 dias de férias – ainda em debate no continente – entram em vigor já este ano”, apontou para referir, logo de seguida, a circunstância de, na semana passada, 105 funcionários do SESARAM terem sido integrados no quadro, mais 70 até Setembro.

Na qualidade de líder do PSD, mas sendo presidente do Governo, aproveitou para relevar trabalho da governação, sublinhando que com “enquanto no País da “esquerdalhada” enfermeiros e professores andam em greves, o Governo Regional acordou com 425 enfermeiros, integrando-os no Contrato de Trabalho, ao mesmo tempo que vai compensar os professores pelos anos de congelamento de carreira. Aqui, há estabilidade”, disse, acrescentando que já este ano, através do Orçamento Rectificativo, será feito um investimento de 5,8 milhões de euros na progressão das carreiras públicas.

As “bandeiras” do ferry, do avião cargueiro, do helicóptero de combate a incêndios, a baixa de impostos, foram mostradas por Albuquerque nesta iniciativa partidária, situação que vem marcando os discursos dos últimos tempos, o mesmo acontecendo com o “crescimento da Madeira há 58 meses consecutivos”. E chegou o momento de falar naquele que é, no fundo, o objetivo das afirmações:  “Temos que continuar a defender a Madeira. Vamos para a luta. Vamos ganhar as eleições”.

“Temos um conjunto de bonequinhos articulados, para através de Lisboa virem para aqui tentar derrotar o nosso partido nas próximas eleições e passarem a mandar nisto. Mas estão-se nas tintas para a Madeira e para os madeirenses.”, disse Albuquerque.