Albuquerque agradeceu a trabalhadores precários a dedicação; promete a todos integrar até Setembro

O presidente do Governo Regional da Madeira agradeceu hoje aos trabalhadores do SESARAM o seu esforço. O governante falava numa sessão que se realizou na manhã de hoje na biblioteca do Hospital Dr. Nélio Mendonça, destinada à regularização de mais de uma centena de situações de trabalho precário. Conforme o FN já noticiou, trata-se de 70 assistentes operacionais, três assistentes técnicos, oito técnicos superiores, 13 técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica e 11 técnicos superiores de saúde, sendo seis farmacêuticos três nutricionistas e dois psicólogos.

Na ocasião, Miguel Albuquerque agradeceu a determinação e a resistência ao longo dos anos dedicados ao serviço da causa pública. Aproveitou para dizer que quatro dos seus compromissos de Governo foram cumpridos. “Isto é uma consequência das medidas políticas que foram encetadas”, afirmou.

O governante referiu que a primeira medida concretizada foi o restabelecimento e consolidação das contas da RAM e do SESARAM. “Nunca podia existir segurança nem bom funcionamento do Serviço Regional de Saúde se não tivéssemos consolidado e amortizado grande parte da dívida do mesmo, que herdámos, e se não tivéssemos enveredado por um caminho de recuperação financeira para a Região”, disse.

Uma vez consolidado o orçamento da Saúde, disse, procedeu-se “à integração dos nossos profissionais”. A este propósito, disse que a administração pública nacional tem mais de 28 mil trabalhadores precários. “Nós cá na Madeira temos 170”, referiu, dizendo que, com a cerimónia de hoje, ficará apenas cerca de uma centena. Prometeu integrar até Setembro “todos os trabalhadores que estão em situação de precariedade na administração regional”.

Esta decisão foi complementada com várias medidas já tomadas desde o início do seu mandato, nomeadamente a diminuição do horário de trabalho para as 35 horas semanais, e novas admissões nos quadros, inclusive num sector “prioritário” que é a Saúde regional. Em 2016, citou, foram admitidos 150 enfermeiros, e em 2018 os serviços integrarão mais 64 destes profissionais.

Albuquerque prometeu ainda que todos os funcionários da administração pública regional poderão beneficiar de 25 dias de férias, desbloqueando ainda uma situação de estagnação nas carreiras. 5.8 milhões de euros serão inscritos no orçamento rectificativo, prometeu. Enalteceu, por outro lado, a concertação social que tem sido empreendida pelo Governo Regional a que preside.