CDU alerta para a forma como, afirma, a seguradora Açoreana “faz aumentar o número de lesados do Banif”

A CDU abordou hoje, em conferência de imprensa, algumas das consequências negativas do colapso do Banif, visando a apresentação de propostas concretas para a salvaguarda dos interesses e direitos dos lesados.

De acordo com a informação publicada nos primeiros dias deste ano, a “Seguradoras Unidas” (ex-Tranquilidade e ex-Açoreana) terá procedido unilateralmente à denúncia das apólices de seguros de vida relativas aos créditos habitação dos clientes Banif, os quais terão transitado para o Santander Totta, recordam os comunistas.

Uma vez que a “Seguradoras Unidas” tornou pública a intensão de estabelecer uma imediata ruptura unilateral dos contratos de seguro “Vida Grupo”, não só aumentou e se agravou o universo dos problemas criados pelo colapso do Banif, como está criado um novo processo de suspeição e de insegurança dos cidadãos em relação ao sistema financeiro, entende a coligação.

Por isso, e face a esta situação, a CDU vem apresentar várias questões que, insiste, requerem uma resposta política: Importa verificar se houve ou não abuso ou irregularidade nos procedimentos de denúncia das apólices de seguro de vida relativas aos créditos habitação dos clientes do Banif; na existência de eventuais vícios processuais, até mesmo de práticas ilícitas, importará identificar os seus responsáveis; na salvaguarda do interesse público, requerem-se medidas bem concretas por forma a garantir a segurança e o necessário restabelecimento da confiança da sociedade no sector financeiro.