MPT critica estado e organização do Jardim Botânico ontem visitado por Vasco Cordeiro

O MPT-Madeira veio hoje criticar o actual estado do Jardim Botânico, curiosamente um dos locais ontem visitados pelo presidente dos Açores e sua comitiva, no decorrer da visita oficial que está a efectuar à Madeira. Esta imagem de referência da Madeira para o mundo e para o turismo, diz o partido, tem um parque arbóreo de grande dimensão e muito diversificado, onde se incluem milhares de plantas e flores que entusiasmam quem nos visita. Tendo em vista estes factos, “não percebemos a verdadeira razão de haver pouco investimento numa área desta natureza, nomeadamente, nos acessos pedonais”. O MPT também quer a eliminação das barreiras arquitectónicas existentes e uma apresentação mais cuidada dos funcionários que ali trabalham.

O Partido da Terra diz achar estranho que exista um carro eléctrico para pessoas com grau de deficiência acentuado “que custou um balúrdio”, e que, afirmam, está “metido dentro de um armazém e sem utilização para os fins que foi adquirido”. Talvez com a eliminação das barreiras arquitectónicas, aventa o MPT, se possa dar utilidade e rentabilidade ao mesmo. “Não podemos aceitar é que seja usado apenas porque o presidente da Região Autónoma dos Açores visitou este Jardim Botânico. A aquisição desta viatura não foi para fins presidenciais, mas para população com dificuldades motoras que aqui vem”, refere uma nota de imprensa.

O MPT-Madeira aproveita para salientar ainda mais alguns factos que considera incompreensíveis: nomeadamente, “uma série de bebedouros completamente avariados, bancos de jardins muito danificados dando uma péssima imagem, lagoas internas secas e casas de banho muito degradadas e completamente desadequadas”.

Por outro lado, assevera, aos trabalhadores deste Jardim Botânico não lhes são fornecidas fardas de trabalho condignas, tendo estes que recorrer a roupa própria. Por isso, “é com naturalidade que os trabalhadores usem roupa que muitas vezes está identificada com partidos políticos”, apesar de isto, na óptica do MPT, ser incompreensível e denotar “falta de organização” nesta instituição.

O Partido da Terra diz-se convicto de que no ano (2017) em que foram batidos todos os recordes de entradas de visitantes, ou seja, mais receita, deviam os seus responsáveis ter modernizado todo este espaço, melhorando significativamente as condições de acesso e de visitação. “Não podemos aceitar uma imagem de abandono e falta de investimento. É tudo uma questão de organização e gestão”, conclui esta força política.