Madeira põe novo Hospital para avaliação do BEI e Calado recusa estar dependente da decisão da República

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Pedro Calado quer encontrar no BEI uma solução para grandes investimentos sem que a Região fique dependente da decisão do Governo da República. Foto Rui Marote

O vice presidente do Governo Regional colocou hoje em cima da mesa, na reunião com a missão do Banco Europeu de Investimentos, três considerados “grandes projetos” que foram prometidos à população: o novo hospital (340 milhões), o prolongamento do molhe da Pontinha (menos de 100 milhões) e o cabo submarino (35 milhões). O BEI juntou mais dois, Porto Santo sustentável em termos energéticos e renovação da frota da Horários do Funchal. Já foi decidida a criação de grupos de trabalho.

Pedro Calado carateriza este encontro com a missão do BEI como consequência de uma estratégia que visa, de certa forma, contornar a dependência de decisões do Governo da República, em matéria de apoios a investimentos considerados nevrálgicos para a Região. O vice do Governo de Albuquerque diz que “a Madeira não pode nem deve estar à espera de algumas decisões que não dependam apenas da Região. Estamos a trabalhar em soluções de financiamento que nos permitam concretizar projetos de grande envergadura em termos de infraestruturas, sem ficarmos na dependência de decisões do Governo central nem dos respetivos timmings”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
A juntar aos três projetos apresentados pela Região, a missão do BEI trouxe outros dois: Porto Santo sustentável e renovação da frota da empresa Horários do Funchal.

A deslocação da missão do BEI à Madeira permite àquela instituição, segundo Pedro Calado, “tomar conhecimento do grande trabalho que o Governo Regional esteve a desenvolver nos últimos três anos em termos de consolidação financeira e económica, fazendo com que vissem o enorme esforço que foi feito. Apresentámos três projetos de investimentos ao BEI para que este possa avaliar a sua facilidade e e oportunidade de análise e estudo, em conjunto com a Região, mas curiosamente ainda nos falaram de outros dois projetos, o que representa que o Banco Europeu de Investimento olha hoje para a Madeira de forma diferente”.

Os três projetos da Madeira prendem-se com o novo Hospital da Madeira, o prolongamento do molhe da Pontinha e o cabo submarino, que na totalidade envolvem um custo aproximado ao meio milhão de euros. Segundo o vice presidente do Governo, o BEI falou ainda de outros dois projetos, um que se prende com o Porto Santo sustentável, em termos energéticos, e outro com a renovação da frota da empresa de transportes Horários do Funchal.

Relativamente ao projeto da Horários do Funchal, Pedro Calado esclarece que o mesmo “não depende apenas do Governo Regional, depende do acordo que pode ser feito com a Câmara do Funchal. O BEI diz que se esse acordo for limitado no tempo, como a Câmara do Funchal tem vindo a defender, limitando-o a quatro anos, não será possível essa renovação de frota. O BEI só aceita se o acordo for igual ou superior a dez anos”.

Pedro Calado reforça a ideia de que a Madeira está hoje em condições de encontrar alternativas de financiamento, considerando que a Região “consegue, hoje, ter uma situação fiscal e financeira diferente daquela que tinhamos há dois ou três anos e temos, agora, um equilíbrio financeiro que permite negociar com o BEI. Se o Governo da República não quiser ser parceiro deste tipo de soluções, vamos encontrar alternativas, tendo sempre como objetivo concretizar os projetos que prometemos à população”.

Estas soluções serão, a partir de agora, avaliadas pelo Banco Europeu de Investimentos, sendo que Pedro Calado fez questão de alertar o Governo Central para que seja permitido, à Região, ter uma Lei de Enquadramento Orçamental e Endividamento Líquido equiparada ao que se passa em termos de Governo da República e não como se fossemos uma autarquia. Se fomos bons para contribuir para reduzir o défice do Estado português, também somos bons para termos, agora, o apoio da República”.