Sofia Canha lançou petição pública online contra encerramento dos CTT no Arco da Calheta

A deputada socialista na Assembleia Legislativa da Madeira, Sofia Canha, e vereadora do PS na Câmara Municipal da Calheta, lançou, esta semana, uma petição pública online, como também em papel, no sentido de envolver a população num esforço contra o encerramento da loja dos CTT no Arco da Calheta.

“O Arco da Calheta é a freguesia mais populosa do concelho da Calheta, cuja população tem um número significativo de pessoas idosas, com dificuldade em mobilidade, agravado pelo facto de não haver uma rede de transportes públicos”. Além disso, Sofia Canha salientou que “a freguesia do Arco da Calheta tem pouca dinamização em termos de comércio e de serviços e o pouco que tem não se admite que se encerre. Há grande afluência ao posto de CTT e o seu encerramento está a causar grande apreensão, por que não se apresentam alternativas significativas, sobretudo, para fazer face às necessidades dos idosos, que recorrem a este serviço para o levantamento das suas pensões, entre outros serviços que os CTT prestam”.

Por seu turno, lembrou que foi a coligação PSD/CDS que efectuou a total privatização dos CTT, uma empresa lucrativa.  “Sabemos que nas empresas privadas é o lucro que prevalece, no entanto, é preciso relembrar que há um contrato de serviço público, que esta empresa deve prestar e, por isso, não deve proceder ao encerramento da loja dos CTT no Arco da Calheta”. Por essa razão, entende que “é preciso que as entidade políticas se movimentem para travar a decisão dos CTT ”, opinou.

Refira-se que em menos de 24 horas já existiam mais de 200 assinaturas online. Nesse sentido, Sofia Canha apelou que “todos aqueles que se encontram indignados com a decisão dos CTT devem subscrever esta petição, quer seja online, quer seja em papel, que se fará circular por todo o concelho da Calheta”. Para além dessa petição a vereadora socialista pretende lançar votos de protestos quer na Câmara Municipal da Calheta, quer na Assembleia Legislativa da Madeira, sobre esta matéria.

Segue o link da petição online: http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT87914