CMF satisfeita com percurso da geodiversidade do centro histórico

A Câmara Municipal do Funchal lançou, no passado Dia Mundial do Turismo, um Percurso da Geodiversidade do Centro Histórico do Funchal, orientado pelo geólogo e professor João Baptista, e a adesão, quer do público escolar, quer a nível turístico, tem sido um sucesso, diz a autarquia. O percurso dá a conhecer o património geológico da cidade, interligando as ciências da natureza, a História e a arquitectura e tem superado as melhores expectativas da edilidade, com solicitações semanais para novas visitas e acções de formação.

Em cerca de dois meses, foram duas dezenas de acções e cerca de 200 participantes, entre alunos, entusiastas, grupos profissionais (guias turísticos, professores, entre outros) e, ainda, técnicos municipais que a autarquia também quer capacitar para o efeito, para que possam dirigir futuras visitas guiadas por parte da CMF, numa tendência que João Baptista acredita ir continuar a crescer: “o Funchal tem características especiais para um roteiro como este e os nossos públicos-alvo estão a responder plenamente. A CMF está de parabéns pela aposta neste projecto”, declarou. Em cima da mesa, está já a possibilidade de avançar com outros dois percursos de Geodiversidade no concelho.

O edil funchalense considera, por sua vez, que “o objectivo do Município ao desenvolver um roteiro como este foi não só promover o conhecimento e a cultura local, mas especialmente continuar a qualificar o Funchal enquanto destino turístico. Hoje em dia, já não bastam mapas de base, porque o turista procura aliar experiências ao conhecimento. Essa é, por isso, uma das tónicas da nossa Estratégia Municipal para o Turismo.” Paulo Cafôfo acrescenta que, “ao fazer este percurso em pleno centro histórico, com vários motivos de interesse e de paragem, estamos também a criar condições favoráveis à atractividade e à permanência das pessoas na Baixa da cidade, o que induz o consumo, em particular no comércio tradicional, outro dos nossos objectivos permanentes”.

 

João Baptista sublinha, por sua vez, que este é “o primeiro e único percurso do género a nível nacional e europeu” e que é, por isso, uma ferramenta de referência para qualificar o produto turístico da cidade com novos conteúdos de cariz mais científico, promovendo a geodiversidade local. “Somos conhecidos na Madeira por termos um turismo terapêutico e ligado à Natureza e penso que, desta forma, estamos a criar novos nichos de mercado”, defendeu o geólogo.

 

O Percurso da Geodiversidade do Centro Histórico do Funchal integra os núcleos históricos de Santa Maria, Sé e São Pedro e apresenta um grau de dificuldade baixo, tendo boa acessibilidade e podendo ser percorrido durante uma manhã ou tarde. Desta forma, promove, igualmente, a actividade física, a saúde e o bem-estar. É composto por 22 pontos de paragem, incluindo quatro locais com vistas panorâmicas, numa extensão de sete quilómetros. Qualquer pessoa pode fazer este percurso, estando o mesmo disponível em português e inglês, no portal Visit Funchal, no endereço electrónico:

http://www.visitfunchal.pt/images/site/Percurso_da_Geodiversidade_ENG_WEB_FINAL22_09.pdf