Dispositivo médico evita picadas diárias para os diabéticos Tipo 1

diabetes-2
O novo dispositivo evita as picadas diárias.

Em todo o País há cerca de um milhão de pessoas com diabetes, mas os números ainda indicam que cerca de meio milhão não sabe que tem a doença. Hoje, Dia Mundial, o Infarmed tem uma boa notícia: chegaram a bom termo as negociações para financiamento do “Freestyle Libre” para diabéticos tipo I. Na prática, diz o comunicado da Autoridade para o Medicamento, ” é particularmente relevante para as crianças e para os doentes que administram diariamente múltiplas doses de insulina, encontrando-se assim sujeitos a sucessivas picagens no dedo ao longo do dia”.

Este dispositivo destina-se “à monitorização dos níveis de glicose no doente com diabetes” e as negociações garantem “a comparticipação a 85% para um grupo de doentes com diabetes tipo I, uma doença auto-imune que obriga a injeções diárias de insulina”.

Diz o mesmo comunicado, disponível no site do Infarmed, que o acordo estabelecido com a empresa Abbott “prevê o tratamento de cerca de 15 mil diabéticos tipo I durante o primeiro ano e todas as crianças com mais de quatro anos serão beneficiadas com este dispositivo”.

O sistema garante “um maior controlo das hipoglicémias (baixas de açúcar no sangue) e pode disponibilizar uma imagem da glicemia do doente correspondente ao período de 24 horas. O sensor do sistema FreeStyle Libre® é aplicado na parte posterior do braço e armazena os dados de glicose continuamente durante até 14 dias”.

Relativamente à Região, números disponibilizados pela secretaria regional da Saúde, dão conta que a taxa de prevalência da doença, na Região, é de 8,7% e a estimativa do número de pessoas com diabetes Mellitus é de 25.305. A taxa bruta de mortalidade madronizada, na Região, é superior à média nacional.

Como lembra a Associação Protectora dos Diabéticos, “a Diabetes tipo 1 não tem cura, o tratamento visa, essencialmente, manter um bom controlo metabólico de forma e evitar complicações. Nas crianças a principal prioridade é manter os valores de glicemia dentro da normalidade sem hipoglicemias. As pessoas com Diabetes tipo 1 têm sempre que fazer insulinoterapia, uma vez que o pâncreas não é capaz de produzir insulina e esta é imprescindível para o funcionamento do organismo”.