PCP quer que o Governo Regional intervenha no sector da hotelaria, onde existem “graves problemas”

O PCP veio hoje abordar os problemas laborais existentes no sector da Hotelaria na Região, na sequência de uma reunião mantida entre os deputados comunistas na Assembleia Legislativa da Madeira e o Sindicato dos Trabalhadores na Hotelaria, Turismo, Alimentação, Serviços e Similares da RAM.

A contratação colectiva, o problema da precariedade laboral no sector, o desregulamento do alojamento local, são os principais problemas que afectam os trabalhadores deste sector. “Num sector que está em ampla expansão, é incompreensível que ainda não esteja assinado o contracto colectivo de trabalho do sector. É importante referir que estes trabalhadores têm um papel fundamental na promoção do destino turístico da nossa Região”, refere o PCP.

A utilização de empresas de prestação de serviço para o desempenho de funções que deveriam ser atribuídas a trabalhadores dos quadros das unidades hoteleira é a forma encontrada para furar todas as regras laborais do sector, denunciam os comunistas. Existem relatos de trabalhadores que são contratados ao dia ou mesmo à hora, muitas vezes só sabem se vão trabalhar no dia seguinte com menos de 24 horas, através de SMS ou chamada telefónica a informar qual o hotel em que têm de se apresentar- Esta realidade e os baixos salários que são regra nestas empresas, estão a condenar a qualidade do serviço neste sector, diz o PCP.

Por outro lado, a desregulamentação do alojamento local, aos mais variados níveis, incluindo o laboral, e um outro grave problema.

“É necessário para o bem do sector da Hotelaria que o Governo Regional tome todas as medidas necessárias par combater a precariedade laboral, bem como intervenha para garantir a estabilidade laboral no sector”, alerta o PCP.