O drible do norte!

Ilustração José Alves.

Driblar é, em linguagem futebolística, “conduzir a bola, esquivando-se ao adversário”.

Pode também ser “ultrapassar ou evitar algo ou alguém”. É sinónimo de fintar, desviar-se, safar-se, superar, vencer.

Mas a palavra driblar pode também ter um sentido pejorativo. Pode ser sinónimo de ludibriar, embrulhar, engodar, dissimular, iludir.

O Estepilha não se atreve a fazer juízos de valor sobre o que quer que seja.

Sabe, no entanto, que, para marcar golos não basta driblar. Às vezes as bolas vão ao poste!

Além disso, as equipas são habitualmente compostas por 11 jogadores. Nem o melhor do mundo joga só, mesmo com os fantásticos dribles que o colocaram no Manchester ou no Real Madrid.

É por isso que, na corrida à liderança do PS-M, tanto Carlos Pereira como o ex-árbitro Emanuel Câmara estão ‘no mercado’ a recrutar elementos para o plantel.

No início do próximo ano, no ‘mercado de inverno’, saberemos quem levou a melhor.

Ninguém quer fazer auto-golos mas há acusações segundo as quais o ponta-de-lança é outro.