Conferências do Teatro com nova sessão dedicada ao Dia Mundial da Música

Paulo Esteireiro será um dos oradores.

 

Prosseguem no dia 13 do corrente mês, pelas 18 horas, no foyer do Teatro Municipal Baltazar Dias, as denominadas “Conferências do Teatro: Madeira de A a Z”. Desta feita, subordinadas à temática do Dia Mundial da Música, celebrado no passado dia 1 de Outubro. Os oradores convidados são Paulo Esteireiro e Rui Camacho.

Paulo Esteireiro fará uma alocução sobre a temática da música na Madeira, que parece manifestar forte ligação da ilha à cultura europeia, com especial ênfase numa identidade marcadamente portuguesa mas com traços de outras culturas, tais como a holandesa, a italiana, a espanhola, a inglesa, a alemã, a francesa, a brasileira e de outras nações que tiveram fortes relacionamentos económicos e culturais com Portugal e com a Madeira.

Nos últimos 40 anos, sustenta, assistiu-se à reforma de várias estruturas culturais e educativas ligadas à música, sendo de destacar a adopção de importantes medidas que vieram facilitar a fundação de associações culturais de índole musical, bem como o rejuvenescimento de antigas colectividades, tais como bandas filarmónicas, coros, grupos de folclore e grupos de bandolins. “Instituições como o Conservatório-Escola Profissional das Artes da Madeira e o Gabinete Coordenador de Educação Artística funcionaram como os dois pilares educativos que permitiram o aumento do número de praticantes, bem como o desenvolvimento das competências musicais de todos os envolvidos na cultura musical madeirense”, refere um comunicado da CMF, reflectindo a posição deste investigador, que trabalha precisamente na DSEAM, o antigo GCEA.

Já Rui Camacho debruçar-se-á sobre os instrumentos musicais populares.

Na Região existe uma série de instrumentos que podem ser encontrados em todo o país (…) mas que na Madeira encontraram uma combinação particular com os instrumentos oriundos do noroeste. Como é natural, a criatividade local encontrou forma de responder às suas necessidades através de criações próprias. Como é o caso, entre muitos outros, do Brinquinho e do Bexigoncelo, este último, uma criação de Manuel Teixeira de Mendonça, natural do norte da ilha e que costumava percorrer as diversas festas da freguesia cantando e tocando e que para se fazer acompanhar criou este instrumento composto, inicialmente, por uma tábua de pinheiro fixada a uma bexiga, onde uma tripa de porco fazia de única corda, refere a nota de imprensa emanada do Teatro Municipal.